Eleições regionais no México começam sem incidentes

Votação vai escolher governadores e prefeitos em 14 estados mexicanos

EFE |

As eleições para governadores e prefeitos em 14 estados mexicanos começaram na manhã deste domingo sem registro de incidentes apesar das rivalidades entre partidários de distintas forças políticas. A Procuradoria Especializada para a Atenção a Crimes Eleitorais (Fepade) enviou 54 observadores para os estados onde há eleições para prevenir delitos.

No entanto, a procuradora da dependência, Arely Gómez, renunciou a seu cargo na semana passada. A expectativa é de que nos próximos dias passe a ocupar a máxima responsabilidade das procuradorias de ordem federal, entre elas a própria Fepade.

No total, 30 milhões de mexicanos escolhem hoje 12 governadores e quase dois mil prefeitos e deputados estaduais. De acordo com a edição de hoje do jornal "Excélsior", os estados nos quais há eleições concentram 60% dos mais de cinco mil assassinatos cometidos pelo crime organizado registrados este ano no país, assim como 37% da população mexicana.

Um dos estados que têm recebido maior atenção é de Tamaulipas, no litoral do Golfo do México e na fronteira com os Estados Unidos, onde o narcotráfico mostrou seu poder nesta semana com o assassinato de Rodolfo Torre Cantú, candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI) e líder nas pesquisas.

© AP
Eleitora aplica tinta no dedo para tirar impressão digital em votação no México
Torre Cantú foi substituído no pleito de hoje por seu irmão Egídio, que votou às 9h30 locais (11h30 de Brasília) acompanhado pela viúva de seu irmão e em meio a um grande esquema de segurança. "Viemos votar, vamos votar", disse Egídio Torre Cantú em breves declarações à imprensa antes de deixar o local de votação.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de Tamaulipas, nove mil policiais do estado fazem a segurança do pleito deste domingo. Além deles, há a presença de forças federais. Em Chihuahua, o estado mais violento do país, também na fronteira com os EUA, as atenções também estão redobradas depois do assassinato de um prefeito no mês passado e uma correspondência contendo ameaças que circulou entre eleitores e funcionários eleitorais nos últimos dias.

Outro estado em situação semelhante é o de Sinaloa, no litoral do Oceano Pacífico e berço histórico do narcotráfico mexicano. Lá, casas de candidatos a governador foram alvo de ataques com coquetéis molotov nas últimas semanas. De acordo com a imprensa mexicana, a candidata conservadora Xóchitl Gálvez, que concorre ao governo do estado de Hidalgo, na região central, denunciou que policiais seguiram sua equipe e a Procuradoria estadual fez buscas ontem à noite em sua casa.

    Leia tudo sobre: eleiçõesméxico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG