Eleições parlamentares definem futuro político do Líbano

Beirute, 6 jun (EFE).- As eleições parlamentares previstas para amanhã no Líbano determinarão o futuro político do país pelos próximos quatro anos e serão um instrumento-chave para a consolidação institucional em território libanês.

EFE |

No domingo, mais de três milhões de eleitores estão convocados a escolher 128 deputados, sendo 64 cristãos e 64 muçulmanos, entre 580 candidatos que se apresentaram por todo o país.

Duas coalizões concentram o embate eleitoral: as Forças de 14 de Março, grupo majoritário no Parlamento libanês e apoiado pelo Ocidente e pelos países árabes moderados, e as Forças de 8 de Março, lideradas pelo Hisbolá e sustentadas pela Síria e pelo Irã, entre outros.

A maioria dos candidatos independentes pretende formar um grupo de apoio ao presidente libanês, Michel Suleiman, com o objetivo de conduzir as reformas necessárias para o ressurgimento do Estado de direito e impedir a paralisia das instituições, como ocorreu na história recente do país.

As duas principais coalizões apresentaram programas de reformas, mas diferem principalmente em relação às políticas externa, econômica e de defesa nacional.

As pesquisas iniciais indicam que a batalha no Parlamento está decidida na maioria das regiões, pelo peso indiscutível das forças políticas em cada área.

A briga eleitoral será dura em uma das três circunscrições de Beirute, onde concorrem duas listas, uma liderada pela atual maioria e a outra pela oposição, assim como em alguns pontos das regiões central e norte do Líbano.

Nas circunscrições de maioria cristã, por exemplo, concorrem as listas do general Michel Aoun, que faz parte da oposição liderada pelo Hisbolá, e as apoiadas pelas Forças de 14 de Março, assim como alguns independentes.

O general Aoun afirmou que prevê um "tsunami similar ao de 2005", em alusão à vitória arrasadora que obteve naquele ano, quando seus candidatos obtiveram 70% dos votos do eleitorado cristão.

No entanto, sua aliança com o Hisbolá e sua aproximação à Síria, cuja presença tinha combatido inclusive pegando em armas, o fez perder parte de sua popularidade entre sua base.

A complexidade da situação no Líbano, um mosaico de 19 comunidades religiosas e na vanguarda regional em muitos campos sociais, fez com que sua evolução política sempre fosse acompanhada com interesse pela comunidade internacional.

O secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos para o Oriente Médio, Jeffrey Feltman, disse considerar "ingênuo" pensar que a política americana para a região não mudaria caso a oposição vença o pleito parlamentar no Líbano.

Recentemente, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, assegurou que uma vitória da oposição no Líbano mudaria a situação em todo o Oriente Médio.

O Líbano permanece em estado de guerra com Israel, o que levou o Estado judeu a intensificar suas intervenções por meio da multiplicação de redes de espionagem, de manobras militares na fronteira e, segundo o Hisbolá, da publicação de artigos contra esse grupo xiita.

Já a Síria, que controlou o Líbano por quase três décadas, continua presente por meio de seus aliados e de sua imprensa. EFE ks/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG