Eleições nos EUA: Obama e Hillary medem forças em Kentucky e Oregon

O candidato democrata à Casa Branca Barack Obama espera ganhar nesta terça-feira uma vantagem decisiva sobre sua adversária Hillary Clinton nas prévias de Kentucky (centro-leste) e Oregon (noroeste), mas a senadora de Nova York não pretende desistir.

AFP |

Os primeiros centros de votação para as primárias democratas abriram suas portas às 06H00 locais (07H00 de Brasília) em Kentucky, e devem fechar às 18H00 (19H00 ou 20H00 de Brasília segundo o fuso horário). Em Oregon, a votação é realizada por correspondência. Os eleitores que não votaram por antecipação podem colocar seu envelope nos locais apropriados até as 23H00 locais (23H00 ou meia-noite de Brasília).

O objetivo de Obama é conquistar a maioria absoluta dos delegados simples nestas duas primárias.

Cinqüenta e um delegados estão em jogo em Kentucky, e 52 em Oregon.

Hillary Clinton é favorita em Kentucky, um estado essencialmente rural. Já Obama é favorito em Oregon, um estado mais progressista, mesmo se o leste e o sul do estado são mais conservadores.

De acordo com o site independente RealClearPolitics (RCP), o senador de Illinois tem atualmente 1.610 delegados simples, e Hillary Clinton 1.443. No total, 3.253 delegados simples participarão da Convenção democrata entre os dias 25 e 28 de agosto.

Se Obama conseguir chegar a 1.627 delegados simples, Hillary não poderá mais superar seu rival, independentemente do resultado das três últimas primárias previstas depois das de Kentucky e Oregon.

No entanto, mesmo com a maioria dos delegados simples, Obama não pode reivindicar a indicação. Cerca de 800 "superdelegados" também participarão da Convenção e, ao contrário dos delegados simples, são livres de sua escolha até o último momento.

Segundo o RCP, Obama tem atualmentee 303 "superdelegados", contra 278 para Hillary. A senadora de Nova York ainda espera convencer estes "superdelegados" de que ela é a candidata que tem mais chances de derrotar o republicano John McCain em novembro.

Hillary Clinton repetiu segunda-feira que irá até o fim, e que não desistirá depois das primárias de terça-feira.

Howard Wolfson, um dos conselheiros da ex-primeira-dama, afirmou que a senadora "vai continuar a trabalhar muito, a fazer campanha por cada voto nos estados onde ainda vão acontecer prévias e a defender sua causa para demonstrar que ela é a melhor candidata para enfrentar John McCain e ser nossa próxima presidente".

Barack Obama, por sua vez, deve pronunciar um discurso na noite desta terça-feira em Iowa (centro), o estado onde foi realizada a primeira prévia e onde ele obteve sua primeira vitória.

O estado de Iowa é crucial na perspectiva da eleição presidencial de novembro. Em 2004, George W. Bush ganhou Iowa com menos de 10.000 votos de vantagem sobre o democrata John Kerry.

O candidato republicano John McCain segue concentrando seus ataques a Obama, como se seu adversário de novembro já estivesse definido. Em um discurso que ele devia pronunciar em Miami (Flórida, sudeste), e que teve alguns trechos comunicados à imprensa, McCain denunciou o desejo de Obama de dialogar diretamente com Raúl Castro se for eleito presidente. Para o republicano, isso enviaria "o pior sinal possível à ditadura cubana".

aje/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG