Eleições legislativas em Portugal se anunciam acirradas

A batalha para as eleições legislativas de domingo em Portugal se anuncia acirrada entre os socialistas no poder e a oposição de centro-direita.

AFP |

De acordo com as últimas pesquisas, o Partido Socialista (PS) de José Socrates, derrotado nas eleições europeias de junho, conta com uma leve vantagem sobre o Partido Social Democrata (PSD) de Manuela Ferreira Leite, mas ainda está longe da maioria absoluta conquistada em fevereiro de 2005 com 45% dos votos e 121 dos 230 deputados no Parlamento.

O PS, que reuniria, segundo as pesquisas, entre 32,9% e 38% das intenções de voto, teria pelo menos três pontos de vantagem sobre o PSD, enquanto a esquerda anti-liberal poderia superar os 18%. Juntas, as duas formações da direita parlamentar, PSD e CDS, ficariam abaixo dos 40%.

Durante a campanha, Socrates tentou dar uma tonalidade mais esquerdista a seus discursos para tentar reconquistar um eleitorado que lhe infligiu um sério revés nas últimas eleições europeias. Contrariando as projeções dos institutos de pesquisa, o PS obteve naquelas eleições 26,5% dos votos, ficando atrás do PSD (31,7%) e perdendo mais de 18 pontos em relação ao resultado de 2005.

Muito criticado pelas reformas estruturais que impôs, o chefe do governo socialista defendeu sua política de austeridade orçamentária, que segundo ele permitiu a Portugal "resistir melhor" à crise econômica mundial.

Criticado por seu balanço social, ele prometeu transformar a questão do emprego em sua prioridade, num momento em que o país acaba de superar a marca de 500.000 desempregados.

"A escolha é entre o PS e a direita, entre eu e Manuela Ferreira Leite", afirmou Socrates diversas vezes durante a campanha, recusando-se a se pronunciar sobre eventuais cenários após as eleições.

Para a maioria dos analistas, o clima polêmico que pairou sobre a campanha torna pouco provável a formação de uma coalizão entre os dois partidos do governo.

Apelidada de "Dama de Ferro", Ferreira Leite descartou categoricamente a formação de um "bloco central" com o PS. Denunciando o peso do Estado na economia e na sociedade, ela utilizou a "asfixia democrática" imposta, segundo ela, pela maioria absoluta socialista, como principal argumento de campanha.

Comunistas e movimentos de extrema esquerda já descartaram participar de um governo dirigido por Socrates, símbolo segundo eles da deriva liberal do PS.

"O cenário pós-eleitoral mais plausível é um governo socialista minoritário negociando acordos parlamentares um após o outro", declarou à AFP o analista político Antonio Costa Pinto.

Porém, destacou, "qualquer que seja o vencedor da eleição, existe um risco real de 'ingovernabilidade', sobretudo na hora de aprovar o orçamento".

Tal cenário colocaria a bola no campo do presidente social-democrata Anibal Cavaco Silva, aliado de Ferreira Leite e desafeto de Socrates.

Segundo a Constituição de Portugal, o chefe do Estado deve esperar seis meses antes de dissolver o Parlamento eleito em 27 de setembro.

Em caso de bloqueio das instituições, caberia a ele negociar a formação de um governo de consenso para dirigir o país até março, ou talvez até a próxima eleição presidencial, prevista para janeiro de 2011.

alc/yw

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG