Eleições gerais no Equador ocorreriam em 22 de fevereiro, diz parlamentar

Quito, 15 out (EFE) - As eleições gerais do Equador podem ocorrer em 22 de fevereiro se não houver impugnações aos resultados oficiais do referendo constitucional, cujo prazo expira hoje. Segundo o titular da Assembléia Constituinte - que está em recesso -, Fernando Cordero, se amanhã forem oficializados os resultados, a convocação eleitoral pode ocorrer em 23 de novembro e o pleito seria realizado em 22 de fevereiro. Em declarações à Agência Efe, uma fonte do Tribunal Supremo Eleitoral coincidiu com Cordero em que se os prazos forem cumpridos, as eleições gerais podem ser realizadas nessa data. O TSE espera até a meia-noite de hoje pela apresentação de impugnações aos resultados numéricos sobre o referendo de 28 de setembro, no qual os equatorianos aprovaram a nova Constituição. A fonte do Supremo ressaltou que se não forem apresentadas impugnações, amanhã os resultados serão divulgados. A nova Constituição promovida pelo Governo do Equador foi aprovada por 63,93% dos votos, enquanto 28,10% rejeitaram a proposta. Os sufrágios nulos somaram 7,23% e os em branco, 0,75%.

EFE |

Em dados totais, o "sim" obteve 4.722.073 votos e o "não", 2.075.764, enquanto os nulos foram de 533.684 votos e os brancos chegaram a 55.071, de acordo com os resultados anunciados na segunda-feira pelo TSE.

A Assembléia Constituinte será reinstalada cinco dias depois da publicação oficial de resultados para definir a composição da Comissão Legislativa que será encarregada de elaborar leis nos próximos meses, além de nomear novas autoridades eleitorais que organizem os próximos pleitos. EFE sm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG