O presidente do Sudão, Omar el Bechir, dançou, levantou seu bastão de comando e gritou Alá é grande durante sua primeira aparição pública após ser acusado de genocídio em Darfur pelo promotor da Corte Penal Internacional (CPI).

Apenas algumas horas após a denúncia, formulada pelo promotor Luis Moreno-Ocampo, Bechir participou de um ato oficial em Cartum, onde foi aclamado por cerca de 500 partidários e altos funcionários do governo.

Bechir, que vestia uma longa túnica branca tradicional, não fez qualquer discurso, mas gritou várias vezes "Alá é grande" durante o ato, destinado a apoiar a nova lei eleitoral, aprovada na semana passada, que prevê a realização de eleições no próximo ano, como ficou acertado no acordo de paz entre Norte e Sul, firmado em 2005.

Alguns oradores condenaram a decisão do promotor da CPI, que foi qualificada de "conspiração política" contra Cartum.

jm/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.