Egito contata parceiros árabes diante de viagem de ministro aos EUA

Cairo, 5 jan (EFE).- O Egito multiplicou os contatos com seus parceiros árabes para impulsionar o estagnado processo de paz na região e a reconciliação palestina, às vésperas da visita do ministro de Assuntos Exteriores egípcio, Ahmed Aboul Gheit, a Washington.

EFE |

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, reuniu-se hoje com o ministro de Exteriores saudita, Saud al-Faisal, na cidade egípcia de Sharm el-Sheikh, onde falaram sobre os meios de reativar a reconciliação interpalestina e o processo de paz palestino-israelense, disse Aboul Gheit, em entrevista coletiva após a reunião.

Faisal se reuniu no domingo, em Riad, com o líder do grupo palestino Hamas, Khaled Meshaal.

Mubarak falou ontem, em Sharm el-Sheikh, com o rei Abdullah II da Jordânia sobre as mesmas questões, há dois dias, com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e, em 27 de dezembro do ano passado, com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Faisal, que entregou a Mubarak uma mensagem do rei saudita Abdullah bin Abdul Aziz, deve viajar ainda hoje a Damasco, onde se encontrará com o presidente sírio, Bashar al-Assad.

Além disso, o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, visitará Amã amanhã, informa hoje a imprensa libanesa.

Estes contatos acontecem dois dias antes de o ministro de Exteriores egípcio e o chefe dos serviços de inteligência, Omar Suleiman, viajarem a Washington, para discutir a situação no Oriente Médio.

Também está previsto que Aboul Gheit mantenha um encontro hoje, no Cairo, com seus colegas da Espanha, França, Jordânia e Tunísia, a fim de discutir os meios necessários para reavivar a União pelo Mediterrâneo.

A reconciliação palestina permanece estagnada desde que, em outubro do ano passado, o Hamas se negou a assinar uma iniciativa de reconciliação palestina proposta pelo Egito, após assegurar que tinham sido incluído pontos não discutidos.

Os nacionalistas do Fatah, presididos por Abbas, aceitaram o documento e, desde então, pediram várias vezes que o Hamas o assine.

EFE jfu/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG