Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Experiência de diretor melhora desempenho do aluno

Diretores que trabalham 20 anos ou mais em uma mesma escola estadual podem melhorar em até 18% o desempenho de seus alunos em avaliações oficiais. Cruzamento de dados inéditos feito pela Secretaria Estadual da Educação de São Paulo mostra que a experiência e a menor rotatividade dos profissionais são os indicadores que mais influenciam positivamente na aprendizagem dos estudantes.

Agência Estado |

O ensino sobre reprodução humana só acontecerá quando as crianças já forem mais maduras.

O governo ainda está avaliando a melhor forma de montar o currículo com o que chama de "assuntos complicados".

Um estudo foi encomendado para melhorar o ensino da disciplina Educação Pessoal, Social e de Saúde (PSHE, na sigla em inglês). Hoje, segundo o governo, o tema é mal-abordado por professores.

Segundo uma pesquisa realizada pela BBC com mais de mil pessoas, dois terços dos entrevistados apóiam aulas sobre educação sexual para crianças a partir dos 11 anos.

O governo está preocupado com ausência de orientação na educação de alguns jovens, especialmente em temas como relações sexuais e abuso de álcool e drogas.

Aulas de ciência
Apesar do anúncio da mudança, nenhum detalhe sobre a nova estrutura curricular do ensino de educação sexual foi divulgado.

O governo ainda está esperando o resultado de outro estudo que indicará como a disciplina se tornará obrigatória na Inglaterra.

Hoje, apenas o ensino sobre biologia da reprodução e mudança dos corpos é obrigatório em escolas da Inglaterra, e acontece em aulas de ciência do primário.

No secundário, as lições são aprofundadas, mas muitos temas não são ensinados, como reprodução humana, atividade sexual, métodos contraceptivos, gravidez, doenças sexualmente transmissíveis e comportamento de risco.

"A vida moderna está ficando cada vez mais complexa e nós temos a obrigação de equipar nossos jovens com o conhecimento e a técnica para lidar com ele", afirma o ministro da Educação da Grã-Bretanha, Jim Knight.

"É vital que essa informação não venha de rumores do pátio do colégio ou de mensagens confusas da mídia sobre sexo."
Em outras nações da Grã-Bretanha, como no País de Gales e na Irlanda do Norte, a educação sexual já é parte do currículo.

A Grã-Bretanha tem o maior índice de gravidez entre jovens da Europa, com 27 nascimentos para cada mil mulheres entre 15 e 19 anos.

Segundo a entidade UK Youth Parliament, quatro em cada dez jovens disseram não ter recebido educação sexual na escola.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG