Quito, 15 ago (EFE).- Os ministros e delegados do setor educativo da América, que se reuniram desde quarta-feira passada em Quito, resolveram impulsionar estratégias para tornar acessível a educação de qualidade aos jovens da região, o mais tardar, até o ano de 2015.

Essa é uma das resoluções da VI Reunião Interamericana de Ministros de Educação que terminou na sexta-feira em Quito e cujas conclusões foram divulgadas hoje pelo Governo do Equador.

Na denominada "Declaração de Quito", os ministros se comprometeram a impulsionar o acesso equitativo e oportuno à educação, ao considerar que o ensino e a aprendizagem são direitos humanos e que a educação de qualidade é essencial para a população americana.

O documento diz que "é prioritário financiar a educação secundária de qualidade em todos seus tipos, níveis e modalidades".

"Esse financiamento deve ser aceito como um investimento para nossos povos e nações. O diálogo, a troca e a cooperação internacional são fatores para fortalecer e enriquecer os esforços nacionais orientados a cumprir as metas fixadas", acrescenta o documento.

Além disso, as autoridades se comprometeram a explorar estratégias inovadoras e flexíveis de oferta educativa, que promovam o acesso à educação secundária de qualidade, e assumem que é necessária a participação dos jovens nas decisões de seu próprio desenvolvimento educativo.

Também destacam a importância de desenvolver sistemas de credenciamento e certidão de competências e a implementação do Programa Interamericano sobre Educação em Valores e Práticas Democráticas.

Na Declaração se encomenda à secretaria executiva da Comissão Interamericana de Educação e à de Desenvolvimento Integral, a elaboração de um Plano de Trabalho para os próximos três anos. EFE fa/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.