Uma editora americana cancelou os planos para lançar um livro de ficção sobre a noiva infante do profeta Maomé devido a temores de que a obra provoque violência. A novela The Jewel of Medina (A Jóia de Medina) seria o livro de estréia da jornalista Sherry Jones e deveria chegar às livrarias na próxima terça-feira.

A editora Random House disse que o livro "pode ser ofensivo" a alguns muçulmanos e que ele "poderia incitar atos de violência em um segmento pequeno e radical".

"Nós decidimos, depois de muita deliberação, adiar a publicação", afirma uma nota divulgada pela editora americana, assinada por Thomas Perry, um dos diretores.

A decisão foi tomada "pela segurança do autor, dos empregados da Random House, vendedores e qualquer um que possa estar envolvido na distribuição e venda desta novela."
A novela conta a vida de A'isha, que é geralmente considerada a esposa favorita de Maomé, desde o seu noivado, aos seis anos de idade, até a morte do profeta.

A autora disse que ficou chocada ao descobrir, em maio, que a publicação de seu livro seria adiada sem previsão de data.

'Pornografia'
A decisão da editora só veio a público depois que a escritora e acadêmica muçulmana Asra Nomani revelou o caso em sua coluna no jornal americano The Wall Street Journal.

Nomani disse que a editora teme uma reação semelhante à publicação do livro Versos satânicos, do britânico Salman Rushdie.

Em 1988, o livro provocou indignação em parte do mundo muçulmano. Uma fatwa - ou ordem de execução - foi declarada contra Rushdie pelo então líder espiritual iraniano, aiatolá Khomeini, forçando o autor a viver escondido por uma década.

No seu artigo, Nomani diz que o papel da professora Denise Spellberg, da Universidade do Texas, foi fundamental para impedir a publicação do livro.

Spellberg, que leu The Jewel of Medina, teria ditto que o livro é "feio", "estúpido" e "levemente pornográfico".

A professora respondeu, em artigo para o mesmo jornal, que ela não teria conseguido impedir sozinha a publicação do livro.

"Eu senti que era meu papel alertar a imprensa sobre o potencial desta novela de provocar ira entre alguns muçulmanos", escreveu ela.

A autora de The Jewel of Medina disse que nunca visitou o Oriente Médio, mas passou anos estudando história árabe. Ela disse que sua novela é uma síntese de tudo que aprendeu.

"Eles tiveram uma grande história de amor", disse Sherry Jones, sobre Maomé e A'isha. A autora acabou de terminar uma seqüência do livro, sobre a vida adulta da protagonista.

A Random House disse que a autora é livre para procurar outra editora.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.