O editor de um importante jornal católico da Itália pediu demissão, nesta quinta-feira, após se envolver em uma polêmica com o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi. Dino Boffo, que era editor do jornal Avvenire, pediu seu afastamento do cargo após afirmar que suas vidas profissional e familiar foram violentadas após ataques bárbaros do periódico Il Giornale, que pertence à família de Berlusconi.

Após ter criticado o premiê italiano por seu suposto envolvimento com mulheres mais jovens em um editorial, Boffo foi alvo de críticas por parte do Il Giornale, que o acusava de ser homossexual e de estar envolvido em um processo por assédio.

Em uma resposta às acusações publicada no Avvenire desta quinta-feira, Boffo admitiu que está envolvido no processo, mas que não é culpado, e negou as sugestões de que manteria um relacionamento homossexual.

Segundo ele, sua demissão se deve aos danos que o Il Giornale fez à sua família e ao Avvenire.

Igreja
O premiê Silvio Berlusconi, que nega as acusações de envolvimento com mulheres mais jovens, tentou se distanciar da polêmica com o editor.

A demissão de Boffo, no entanto, marca um novo problema nas relações entre Berlusconi e a Igreja Católica, que, segundo relatos, está preocupada há algum tempo com o comportamento do premiê em sua vida privada.

Após a publicação das acusações no Il Giornale, na semana passada, um jantar entre Berlusconi e o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, foi cancelado.

Berlusconi depende do apoio dos eleitores católicos, enquanto a Igreja vê no primeiro-ministro um aliado em temas como a eutanásia e o aborto.

Boffo, no entanto, é bastante respeitado entre o clero e as acusações contra ele foram interpretadas como ataques indiretos à própria Igreja.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.