Economia ofusca brilho do aniversário de Kim na Coreia do Norte

Por Jack Kim SEUL (Reuters) - A Coreia do Norte celebrou na terça-feira os 68 anos do dirigente Kim Jong-il com uma apresentação de nado sincronizando para glorificar o pai benevolente do miserável regime, que tem feito aberturas para um diálogo com os inimigos norte-americanos.

Reuters |

Com a saúde questionável, Kim tenta preparar a sucessão na única dinastia comunista da Ásia, mas enfrenta um dos períodos mais difíceis do seu governo devido a medidas econômicas que provocaram uma rara reação popular no país.

Ele está pressionado a retomar as negociações multilaterais de desarmamento, abandonadas há um ano, nas quais a Coreia do Norte poderia obter benefícios políticos e econômicos em troca de desistir de ter um arsenal nuclear.

O país está sob sanções da ONU por causa de um teste nuclear em 2009, e sofre também com uma fracassada reforma monetária que quase paralisou o comércio no ano passado.

Durante as celebrações, Kim foi saudado como sendo o "comandante inigualavelmente brilhante da presente era".

De acordo com a agência estatal de notícias KCNA, o número 2 do regime, Kim Yong-nam, também "salientou a necessidade de colocar um fim às relações hostis (com) os EUA por meio de diálogo e negociações."

Kim Jong-il está no poder há quase 16 anos, período em que o país passou por uma onda de fome que teria matado 1 milhão dos 22 milhões de norte-coreanos. Ele sobreviveu ainda ao isolamento provocado por sua atitude em relação a questões nucleares, mas uma revalorização da moeda local implementada no final de 2009 mostrou fissuras na sua liderança.

A medida agravou a inflação, dificultou o acesso dos mais pobres a mantimentos básicos e, segundo a agência sul-coreana de espionagem, gerou manifestações populares em um dos Estados mais autoritários do mundo.

"O público tem vinculado as novas dificuldades ao governo central. Isso não significa que o governo esteja prestes a desabar, mas o conflito entre o público e o governo vai aumentar muito", disse Park Hyeong-jung, especialista em Coreia do Norte no Instituto para a Reunificação Nacional, da Coreia do Sul.

Na opinião de Park, o mais importante é que essa nova fase redefiniu a relação entre Kim e seu povo, e serve de alerta sobre o limite até o qual se pode submeter uma população já tão sofrida.

(Reportagem adicional de Christine Kim)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG