Dubai recebe US$ 10 bi de Abu Dhabi para pagar dívidas

O governo de Dubai anunciou nesta segunda-feira ter recebido US$ 10 bilhões do emirado vizinho de Abu Dhabi para ajudar a saldar suas dívidas. O dinheiro será destinado à companhia estatal de investimentos Dubai World, que havia pedido a credores um prazo maior para pagar suas dívidas em consequência de dificuldades financeiras.

BBC Brasil |

Segundo um comunicado do Supremo Comitê Fiscal de Dubai, parte do dinheiro - US$ 4,1 bilhões - será usada pela Nakheel, o braço de desenvolvimento imobiliário da Dubai World, para pagar títulos islâmicos que vencem nesta segunda-feira.

O restante será usado para honrar compromissos da Dubai World até o fim de abril de 2010.

"Estamos aqui hoje para reconfortar os investidores, credores financeiros e comerciais, empregados e nossos cidadãos de que nosso governo agirá todo o tempo dentro dos princípios de mercado e as práticas de negócios internacionalmente aceitas", afirmou em comunicado o presidente do comitê, xeque Ahmed bin Saaed al-Maktoum.

O anúncio foi recebido com surpresa por investidores, que não estavam certos de que o rico emirado de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos e exportador de petróleo, fosse ajudar Dubai, o vizinho menor.

Após a notícia, os mercados asiáticos reverteram perdas, e o dólar e o euro subiram em relação ao iene.

No dia 25 de novembro, o governo de Dubai pediu a credores o congelamento do pagamento de US$ 26 bilhões das dívidas da Dubai World.

O anúncio espalhou temores sobre a capacidade dos governos de honrar dívidas soberanas e reforçou as preocupações com a possibilidade de calotes.

Além de sacudir os mercados, a indefinição em relação às dívidas de Dubai também arranhou a imagem de pujança do emirado, que tem pouco petróleo e aposta no seu perfil de centro de negócios e turismo.

Nesta segunda-feira, o Supremo Comitê Fiscal de Dubai também anunciou a implementação de uma nova lei de falências.

"A lei estará disponível caso a Dubai World e suas subsidiárias não consigam alcançar uma reestruturação aceitável de suas obrigações remanescentes", afirmou o xeque al-Maktoum.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG