Duas bombas enviadas por envelope explodem em La Paz

Duas bombas explodiram na cidade de La Paz, na Bolívia, nesta quarta-feira, deixando sete pessoas feridas, segundo informações da mídia local. Os dois explosivos foram enviados em envelopes para dois endereços diferentes.

BBC Brasil |

A primeira bomba explodiu no fim da manhã dentro do escritório de uma construtora e deixou dois bombeiros feridos, segundo a agência oficial de notícias Agência Boliviana de Informação (ABI). Os bombeiros chegaram ao local depois de receberem um telefonema anônimo.

O segundo envelope foi enviado para o líder sindical Fidel Surco, que apóia o governo do presidente Evo Morales. A bomba explodiu no escritório de um dos sindicatos de Transportes, onde os sindicalistas chegavam para uma reunião do grupo.

A explosão feriu a mulher de Surco, Armonia Colque, que foi internada no hospital Arco Iris, de La Paz. Ainda não há informações sobre o estado de saúde de Armonia.

De acordo com a ABI, além de Colque, outras quatro pessoas foram feridas na explosão.

"Assim que ouvimos a explosão, saímos correndo. Mas vimos que a mulher de Fidel Surco e outros diretores do sindicato estavam bastante feridos", disse o sindicalista Edson Valdez à rádio Erbol.

Segundo informações transmitidas pela rádio Fides, uma pessoa armada foi presa próximo ao sindicato.

As duas explosões ocorreram em um intervalo de três horas. Até a noite desta quarta-feira, nenhum grupo havia assumido a autoria dos supostos ataques.

Os dois casos estão sendo investigados pelo Grupo Especial Antibombas e pela Força Especial de Luta Contra o crime (FELCC).

Chile
Em Santiago, no Chile, duas bombas explodiram na noite de terça-feira e outra na madrugada desta quarta-feira (horario local), em duas academias de ginástica nos bairros ricos de Las Condes e Vitacura.

Segundo a polícia, não houve feridos, mas as vidraças e outras partes dos prédios foram atingidas.

"As duas bombas são muito parecidas e podem ter sido de autoria de um mesmo grupo", afirmou o subsecretário do Ministério do Interior, Patricio Rosende.

A porta-voz do palácio presidencial La Moneda, Carolina Tohá, disse que o governo "condena" estas iniciativas e que não é preciso, numa democracia, usar explosivos para defender ideias.

Nos últimos anos, o Chile tem registrado explosões de bombas caseiras, geralmente de madrugada em locais com poucas pessoas ou vazios.

No último dia 4 de agosto uma bomba de fabricação caseira explodiu, de madrugada, na entrada da loja da companhia aérea chilena LAN, em Buenos Aires, na Argentina.

Segundo a polícia, o caso está sendo investigado e a autoria do atentado ainda é desconhecida.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG