Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Dolly vira furacão e se aproxima do Texas

Por Chris Baltimore HOUSTON (Reuters) - A tempestade tropical Dolly virou furacão na terça-feira e se aproxima do sul do Texas, embora os meteorologistas não prevejam que ele ganhe muita força quando atingir o continente, perto da fronteira com o México, na quarta-feira à tarde.

Reuters |

Este é o segundo furacão da temporada de 2008 no Atlântico Norte. Ele tem ventos regulares de quase 120 quilômetros por hora e às 18h (hora de Brasília) estava 165 quilômetros a sudeste de Brownsville, no Texas, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA. Há um alerta em vigor desde a fronteira com o México até a cidade de Corpus Christi.

A rota e força do furacão não prenunciam prejuízos ao setor petrolífero no golfo do México.

Algumas localidades do Texas devem começar a sentir ventos fortes a partir de terça-feira à noite, e a previsão para os próximos dias é de até 38 centímetros de chuvas.

Depois das devastadoras temporadas de 2004 e 2005, os EUA foram relativamente poupados nos dois últimos anos, quando só um furacão atingiu suas costas, o Humberto, em 2007.

A temporada de 2008 está bastante ativa, mas aparentemente sem eventos devastadores como o furacão Katrina, de 2005. Na média, a quarta tempestade de cada temporada se forma em torno de 29 de agosto. Dolly, a quarta do ano, se formou em 20 de julho.

O governo do Texas orientou seus cidadãos a estocarem pilhas e gêneros essenciais, e a cidade mexicana de Matamoros, vizinha a Brownsville, retirou 23 mil moradores de áreas inundáveis.

A polícia mexicana interditou o acesso à praia Bagdad, também perto da fronteira com os EUA, para evitar que as pessoas se aproximem das águas turbulentas.

Enquanto isso, a tempestade tropical Cristóbal ganhou força na terça-feira, mas se afastou da Costa Leste dos EUA. Às 18h, estava 275 quilômetros a sul-sudeste de Halifax (Canadá), deslocando-se para nordeste sobre o mar a 28 quilômetros por hora, com ventos regulares de 100 quilômetros por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões.

(Reportagem de Chris Baltimore em Houston, Jim Forsyth em San Antonio, Michael Christie em Miami, Tomas Bravo em Playa Bagdad, México, e Mariano Castillo na Cidade do México)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG