Por Peter Griffiths LONDRES (Reuters) - Dois britânicos tomados reféns no Iraque em 2007 podem ser os mortos entregues a autoridades da Grã-Bretanha no Iraque e três outros que estão desaparecidos estão em grande perigo, afirmou o governo da Grã-Bretanha neste sábado.

O secretário de Relações Exteriores, David Miliband, afirmou que os restos entregues por autoridades iraquianas ainda tinham de ser formalmente identificados, mas as famílias dos reféns vão "temer pelo pior".

"Sabemos apenas que no fim da noite passada recebemos os corpos de dois reféns", disse. "Nossa prioridade imediata é obviamente lidar com as famílias e trabalhar na identidade desses homens."

"Se qualquer prova era necessária sobre o grande perigo que esses reféns enfrentam, são notícias preocupantes que chegaram. A ameaça a todos os reféns no Iraque continua, de fato, muito alta."

Os britânicos, o instrutor de computação Peter Moore e seus quatro guarda-costas, foram tomados por um grupo militante xiita de dentro de um prédio do Ministério das Finanças do Iraque em Bagdá, em maio de 2007.

A Grã-Bretanha foi aliada dos Estados Unidos na invasão do Iraque em 2003, mas retirou quase todas as suas tropas, mantendo apenas 500 solados no país.

O porta-voz do governo iraquiano, Ali al-Dabbagh disse: "A informação que temos é que os dois corpos foram entregues na noite passada a autoridades britânicas e acreditamos que sejam dos reféns britânicos".

Um porta-voz da empresa canadense de segurança GardaWorld, que contratou os quatro guarda-costas britânicos de Moore, afirmou estar esperando mais informações antes de fazer comentários.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.