Havana, 1 mar (EFE).- Dois dissidentes cubanos presos anunciaram hoje o abandono da greve de fome iniciada na semana passada, após a morte do opositor Orlando Zapata, enquanto pelo menos outros dois presidiários, além do jornalista Guillermo Fariñas, prosseguem com suas greves, segundo fontes da dissidência.

Diosdado González, que cumpre uma condenação de 20 anos na prisão "Kilo 5" da província ocidental de Pinar del Río, anunciou que já deixou o jejum, e Eduardo Díaz Fleitas, preso no mesmo local com uma sentença de 21 anos, anunciou que o fará amanhã, quando a morte de Zapata completa sete dias.

Segundo informou à agência Efe o porta-voz da Comissão de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), o opositor Elizardo Sánchez, Nelson Molinet, também da prisão "Kilo 5", e Fidel Suárez, do "Kilo 8", na mesma região, ambos com penas de 20 anos.

Também segue em greve de fome e sede em sua casa da cidade central de Santa Clara o psicólogo e jornalista Fariñas, não deu ouvidos aos pedidos de Sánchez, seus familiares e outros opositores para abandonar o jejum.

De acordo com o porta-voz da CCDHRN, é provável que em breve sejam encerradas todas as greves de fome nas prisões. Entretanto, Fariñas, que pede a libertação dos aproximadamente 200 presos políticos de Cuba, deve continuar protestando. EFE am/fm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.