Dois presos políticos abandonam greves de fome em Cuba

Havana, 1 mar (EFE).- Dois dissidentes cubanos presos anunciaram hoje o abandono da greve de fome iniciada na semana passada, após a morte do opositor Orlando Zapata, enquanto pelo menos outros dois presidiários, além do jornalista Guillermo Fariñas, prosseguem com suas greves, segundo fontes da dissidência.

EFE |

Diosdado González, que cumpre uma condenação de 20 anos na prisão "Kilo 5" da província ocidental de Pinar del Río, anunciou que já deixou o jejum, e Eduardo Díaz Fleitas, preso no mesmo local com uma sentença de 21 anos, anunciou que o fará amanhã, quando a morte de Zapata completa sete dias.

Segundo informou à agência Efe o porta-voz da Comissão de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), o opositor Elizardo Sánchez, Nelson Molinet, também da prisão "Kilo 5", e Fidel Suárez, do "Kilo 8", na mesma região, ambos com penas de 20 anos.

Também segue em greve de fome e sede em sua casa da cidade central de Santa Clara o psicólogo e jornalista Fariñas, não deu ouvidos aos pedidos de Sánchez, seus familiares e outros opositores para abandonar o jejum.

De acordo com o porta-voz da CCDHRN, é provável que em breve sejam encerradas todas as greves de fome nas prisões. Entretanto, Fariñas, que pede a libertação dos aproximadamente 200 presos políticos de Cuba, deve continuar protestando. EFE am/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG