Dois iraquianos acusados de terem matado dois soldados britânicos em março de 2003 vão ser julgados em Bagdá por crimes de guerra a partir de meados de abril, informaram neste sábado fontes judiciais.

"A instrução está encerrada, e o caso foi transferido para o Alto tribunal criminal. Os dois são acusados de crimes de guerra", afirmou à AFP o presidente desta corte, Aref al-Shahin, destacando que "será o primeiro processo deste tipo".

"O julgamento vai começar em meados de abril, e já designamos advogados para defendê-los", acrescentou.

Fayçal al-Saadun, 56 anos, e Khalaf Mufdi, 58 anos, são acusados de terem matado a sangue-frio dois britânicos - o sargento-chefe Simon Cullingworth, 36 anos, e o soldado Luke Allsopp, 24 anos - perto de Basra, no sul do Iraque, no início da invasão deste país pela coalizão liderada pelos Estados Unidos, em março de 2003.

Em dezembro, o Alto tribunal de Londres considerou que os dois iraquianos podiam ser entregues às autoridades de seu país para serem julgados lá, apesar do "risco real de uma condenação à morte".

str/yw

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.