Dois guardas israelenses declarados culpados do assassinato de um palestino

O tribunal de Jerusalém declarou dois guardas fronteiriços israelenses culpados pelo assassinato de um jovem palestino no fim de 2002 em Hebron, na Cisjordânia, informaram nesta terça-feira fontes judiciais.

AFP |

Os guardas foram acusados de participar no assassinato de Imran Abu Hamdieh, de 18 anos, por empurrá-lo para fora de um jipe que circulava a 80 km/h em Hebron, no sul da Cisjordânia. O jovem palestino morreu devido à gravidade de seus ferimentos na cabeça.

Hamdieh havia sido seqüestrado por quatro guardas fronteiriços em frente à casa dele em Hebron em 31 de dezembro de 2002.

A pena para os dois guardas fronteiriços, que são subordinados à polícia, será anunciada dentro de três semanas, acrescentaram as mesmas fontes.

Em um processo anterior sobre o mesmo caso, um guarda fronteiriço foi condenado a seis anos e meio de prisão. O outro guarda, que conduzia o jipe, foi sentenciado a quatro anos e meio de prisão, mas conseguiu fugir para o exterior.

jlr/lm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG