Dois ex-ministros israelenses começam a cumprir hoje pena por corrupção

Jerusalém, 1 set (EFE).- Dois ex-ministros israelenses, Shlomo Benizri e Abraham Hirchson, ingressarão hoje em prisão para cumprir penas de quatro e cinco anos e meio, respectivamente, por delitos de corrupção.

EFE |

O cumprimento das penas dos dois ex-ministros se produz dois dias depois que a Procuradoria Geral do Estado acusasse ao ex-chefe de Governo Ehud Olmert por outros três casos de corrupção.

Benizri, membro do partido ultra-ortodoxo judeu Shas e que foi titular das pastas de Saúde (entre 1999 e 2000) e Trabalho (de 2001 a 2003) deverá apresentar-se hoje na prisão de Masiyahu (perto de Tel Aviv) para cumprir uma pena de quatro anos por receber subornos de um contratista israelense ao que facilitou informação privilegiada durante seus mandatos.

Hirchson, titular das pastas de Turismo (entre 2005 e 2006), Comunicações (2006) e Finanças (entre 2006 e 2007), também ingressará hoje na prisão, neste caso na de Hermon (norte de Israel), para começar a cumprir sua pena de cinco anos e meio.

No mês passado de junho o ex-ministro foi declarado culpado de roubar 1,8 milhões de shekels (cerca de 325 mil euros) da Organização Nacional de Trabalhadores e incorrer nos delitos de roubo executivo, fraude, ruptura da confiança, obtenção ilícita de fundos, lavagem de dinheiro e falsificação de documentos corporativos.

A Promotoria israelense reiterou em várias ocasiões nos últimos anos que não tolerará a corrupção na classe política, seja qual seja o cargo dos delinquentes.

Em setembro de 2008, o então primeiro-ministro Ehud Olmert se viu obrigado a renunciar pelas numerosas investigações de corrupção abertas contra ele pela Promotoria, que lhe obrigaram a submeter-se a contínuos interrogatórios policiais e minaram sua imagem pública.

No domingo, a Promotoria finalmente apresentou no Tribunal de Distrito de Jerusalém as acusações contra o ex-chefe de Governo por fraude, ruptura da confiança, falsificação de documentos corporativos, evasão de impostos e obtenção fraudulenta de benefícios. EFE aca/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG