Disparos de tropas americanas matam dois civis no norte do Iraque

Bagdá, 24 mai (EFE).- Dois civis morreram hoje após os disparos de tropas americanas em Mossul, no norte do Iraque, enquanto as forças iraquianas prenderam 1.

EFE |

480 pessoas durante a campanha de segurança iniciada há duas semanas na região.

Segundo informaram fontes policiais, o incidente que causou a morte dos dois civis ocorreu quando os militares de uma patrulha americana atiraram em resposta a um ataque de um desconhecido com uma granada no mercado popular de Al Nabi Yunis, no leste de Mossul.

As fontes revelaram, além disso, que o ataque causou baixas entre os soldados, mas até agora o Exército americano não confirmou nem desmentiu o fato.

Por outra parte, o porta-voz do Ministério iraquiano de Interior, general Abdel Karim Khalaf, afirmou em declarações à televisão oficial "Al-Iraquiya", que um total de 1.480 pessoas foram presas durante as operações empreendidas pelas forças iraquianas em diversos lugares de Mossul.

A operação, denominada "Rugido do leão", que começou há duas semanas, é voltada contra os combatentes da rede terrorista Al Qaeda e dos grupos afins.

Além disso, Khalaf revelou que nas últimas operações as tropas iraquianas conseguiram capturar "chefes importantes" da organização radical denominada "Estado Islâmico do Iraque", liderada pela Al Qaeda.

Segundo ele, entre esses detidos figuram os "ministros de Agricultura e Eletricidade, e alguns responsáveis militares e dos serviços secretos da organização extremista".

O "Estado Islâmico do Iraque" foi anunciado há dois anos por sete facções armadas lideradas pela Al Qaeda, com a formação de um "Governo composto por vários ministérios" para governar as províncias e regiões de maioria sunita.

Nínive (província que tem Mossul como capital) está incluída dentro da suposta área de influência da Al Qaeda. EFE am-aj/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG