Discovery é lançado com sucesso e está a caminho da ISS

O ônibus espacial Discovery decolou na noite de sexta-feira da Flórida com sete astronautos a bordo rumo à Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês) para entregar uma nova unidade de alojamento, um tapete de corrida, um congelador e outros equipamentos.

AFP |

A decolagem fora adiada três vezes desde terça-feira.

O Discovery, que junto com seu sistema de lançamento pesa mais de 2.000 toneladas, decolou do Centro Espacial Kennedy, perto de Cabo Canaveral (Flórida, sudeste dos EUA) pouco antes da meia noite (12H59 deste sábado, pelo horário de Brasília), e ultrapassou a velocidade do som em 52 segundos.

Os dois foguetes responsáveis pelo fornecimento de 80% do impulso inicial se desprenderam da nave pouco mais de dois minutos após o lançamento e caíram no Oceano Atlântico, onde serão recuperados e reaproveitados.

Impulsionado por seus três motores criogênicos, o orbitador voou então a uma velocidade de quase 6.000 km/h e atingiu a órbita terrestre a 225,31 km de altitude, ao término de uma ascensão de 8,30 minutos.

O Discovery deve se acoplar à ISS segunda-feira a 01H03 GMT (22H03 de domingo, pelo horário de Brasília).

Trata-se do 33º lançamento noturno dos 128 no total de uma nave desde 1981.

"O orbitador está em ótimo estado, a equipe de lançamento está pronta e a natureza, desta vez, está cooperando. Desejo boa sorte e boa viagem a vocês e a toda a equipe", declarou pouco antes da decolagem o diretor do lançamento, Pete Nickolenko, dirigindo-se à tripulação do Discovery.

Poucos destroços se desprenderam do reservatório externo durante a ascensão, destacou Bill Gerstenmaier, responsável pelos programas espaciais da Nasa, durante uma entrevista coletiva.

"Não observamos nada de anormal. As primeiras imagens não mostram nada", afirmou.

Nesta missão de 13 dias, a equipe do Discovery vai entregar 6,8 toneladas de equipamentos, entre eles um novo compartimento com camas, mantimentos, um novo reservatório de amoníaco e um segundo tapete de corrida.

A tripulação permanente do ISS dobrou em maio passado, chegando a seis membros. Assim, ficou necessário ampliar as estruturas de alojamento.

Três saídas em órbita de 6h30 cada uma por equipe de dois astronautas estão previstas durante esta missão.

Uma das principais tarefas das equipes será substituir um grande reservatório de amoníaco vazio, preso à ISS, por um novo, que pesa 800 kg. O amoníaco líquido é utilizado como elemento de refrigeração.

Os astronautas também vão recuperar amostras de experiências científicas instaladas fora do laboratório europeu Columbus para colocá-las dentro do Discovery.

O congelador levado pelo Discovery permitirá preservar amostras de sangue, de urina, de vegetais e de micróbios utilizadas para as experiências, para trazê-las de volta para a Terra.

Depois desta missão, restarão apenas seis voos antes da desativação dos três orbitadores da frota, prevista para setembro de 2010.

A ISS, um projeto que reúne 16 países, custa 100 bilhões de dólares, financiados em grande parte pelos Estados Unidos.

A tripulação é formada pelo comandante de bordo Rick Stuckow, 49 anos, pelo co-piloto Kevin Ford, 49 anos, e por cinco especialistas de missões: Patrick Forrester, 52 anos, José Hernandez, 47 anos, filho de emigrantes mexicanos, John Olivas, 43 anos, Christer Fuglesang, da Agência Espacial Europeia (ESA), e Nicole Stott, 46 anos.

Nicole Stott deverá substituir seu compatriota Tim Kopra como engenheira de voo na tripulação da ISS.

js/yw

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG