Dirigentes iraquianos lamentam morte de líder xiita Abdel Aziz Al-Hakim

Bagdá, 26 ago (EFE).- Vários dirigentes iraquianos lamentaram hoje a morte do líder do principal partido xiita do país, Abdel Aziz al-Hakim, quem o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, qualificou de pilar fundamental no processo de construção do novo Iraque.

EFE |

"Perdemos um grande irmão e um forte apoio durante a etapa de luta contra o antigo regime (do falecido ditador Saddam Hussein)", disse al-Maliki.

Al-Hakim, de 56 anos, estava em Teerã para receber tratamento médico depois que seu estado de saúde se deteriorasse consideravelmente na última semana por causa de um câncer de pulmão.

Líder do principal partido xiita, o Conselho Supremo Islâmico do Iraque, Al-Hakim foi, segundo al-Maliki, "um pilar fundamental no processo de construção do novo Iraque e suas partida nesta etapa delicada que cruzamos é considerada uma grave perda para o país".

Neste sentido, o presidente do Parlamento iraquiano, Yad Al-Samerrai, chamou o dirigente político falecido de "um dos símbolos do novo Iraque".

Quando Saddam Hussein foi deposto em abril de 2003, Al-Hakim se estava entre os 25 membros que constituíram o Conselho de Governo, uma espécie de Governo de transição, nomeado por Paul Bremer.

Além disso, Al-Hakim foi líder do maior grupo parlamentar iraquiano, a Aliança Iraquiana Unida, substituída há dois dias por uma nova coalizão de partidos, a Coalizão Nacional Iraquiana, da qual o Conselho Supremo Iraquiano, próximo ao Irã, é um dos pilares fundamentais.

O presidente iraquiano, o curdo Jalal Talabani, também teve palavras de elogio para o ex-líder e para sua família, destacando a figura de seu filho Ammar al-Hakim.

Ammar, possível sucessor, se comprometeu hoje "a seguir o caminho" de seu pai.

Em comunicado, o Conselho Supremo do Iraque destacou que Al-Hakim trabalhou e se sacrificou durante toda sua vida a favor do islã e de seu país.

"Foi um grande exemplo por sua preocupação pelos interesses e a defesa do povo iraquiano", acrescenta a nota.

Os restos mortais de Al-Hakim serão transferidos amanhã de Teerã a Bagdá, onde se realizará o funeral, segundo informou o diretor do escritório do líder do Conselho Supremo Islâmico, Abbas Al-Amiri.

A comitiva passará primeiro pela cidade de Basra e de Bagdá se dirigirá à cidade santa de Najaf, localidade na qual nasceu o dirigente xiita e onde será sepultado.

O partido de Al-Hakim é o mais poderoso e influente do Iraque e seu braço militar, as Brigadas Badr, lutaram contra o regime de Saddam Hussein no final do anos 80 e princípios dos 90 de suas bases no Irã. EFE am-aj-mv/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG