Diretora de galeria dos EUA é acusada de falsificação e venda de Picasso

Los Angeles (EUA.), 8 jan (EFE).

EFE |

- A diretora de uma galeria de arte de Los Angeles foi acusada de fraude por vender por US$ 2 milhões uma falsificação do quadro de Pablo Picasso "La Femme au Chapeau Bleu", que foi feita por encomenda da própria, informou hoje o Escritório Federal de Investigação (FBI) dos EUA.

Segundo as autoridades federais americanas, Tatiana Khan, de 69 anos, pagou US$ 1.000 em 2006 a um artista para reproduzir a obra do pintor espanhol, com a desculpa de que ia a ser utilizada pela Polícia para capturar ladrões que tinham roubado o original.

O FBI sustenta que, posteriormente, Tatiana enganou um de seus clientes para que adquirisse a tela, fazendo-o crer que era autêntica e que estava a um preço muito abaixo do que alcançaria no mercado devido ao fato de seus proprietários desejarem que a venda acontecesse de forma privada devido a disputas familiares.

O caso chegou aos agentes federais no ano passado, depois que o comprador do quadro contratou um especialista em Picasso, que duvidou da originalidade do quadro.

Interrogada pelo FBI, Tatiana negou que tivesse ordenado a falsificação da pintura, e assegurou que a recebeu em troco de uma dívida não paga de US$ 40 mil.

A acusada foi informada esta manhã das acusações, quando agentes que estiveram em sua galeria encontraram um quadro do pintor expressionista holandês Willem de Kooning, avaliado em US$ 720 mil, que ela supostamente teria adquirido graças ao dinheiro recebido pelo falso Picasso.

Khan foi convocada a comparecer nos tribunais no dia 27 de janeiro e, caso seja considerada culpada, pode pegar uma pena de até 45 anos de prisão. EFE fmx/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG