Diretor de jornal do Senegal é condenado à prisão por ofender presidente

Dacar, 12 set (EFE) - O tribunal correcional de Dacar condenou hoje a três anos de prisão o diretor do jornal independente 24 Heures Chrono, El Malick Seck, por ofensa ao presidente da República e difusão de notícias falsas.

EFE |

A condenação se deve a uma reportagem assinada há duas semanas por Seck, na qual se implicava o presidente, Abdoulaye Wade, e seu filho Karim em uma suposta operação de lavagem de dinheiro procedente de roubos ocorridos em 2003 em filiais do Banco Central da África Ocidental (BCEAO) em Costa do Marfim.

Além de condenar o diretor do jornal a três anos de prisão, o tribunal suspendeu a publicação do "24 Heures Chrono" por um período de três meses.

O advogado do repórter, Demba Cire Bathily, qualificou de "excessiva" a condenação, e afirmou aos jornalistas que "Seck é vítima de um complô político cujo objetivo é eliminá-lo, assim como a seu periódico".

Aberto há apenas três meses, o "24 Heures Chrono", o caçula da imprensa diária do Senegal, se destacou pela publicação de informações nas quais implicou autoridades do regime em assuntos ilegais.

Seck disse ao tribunal que tudo o que publica no jornal é submetido a extensas investigações sérias e afirmou que nenhum dos implicados nos escândalos que denuncia desmentiu suas acusações.

A sentença contra Seck veio a público um dia depois de o mesmo tribunal ter condenado a 5 e 6 anos de prisão as 12 pessoas que em agosto realizaram ataques contra dois jornais, entre eles "24 Heures Chrono".

Após depor perante o Procurador da Nação, o suposto indutor dos ataques, o ex-ministro de Transporte Aéreo Farba Senghor, comparecerá perante um Tribunal Supremo Especial eleito pelo Parlamento. EFE st/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG