Diretor da Dow Jones se demite por escândalo de escutas ilegais

Chefe do grupo de mídia que pertence à News Corp., Les Hinton foi editor-executivo da News International entre 1995 e 2007

iG São Paulo |

O diretor-executivo do grupo de mídia Dow Jones, Les Hinton, pediu demissão nesta sexta-feira, tornando-se o mais recente funcionário de alto cargo a deixar a News Corporation , empresa de Rupert Murdoch, após o escândalo de escutas ilegais envolvendo o tabloide britânico " News of the World ".

Hinton foi editor-executivo da News International, braço britânico da News Corp., entre 1995 e 2007, período em que o tabloide monitorou milhares de pessoas, incluindo políticos e celebridades. Nesta sexta-feira, a atual editora-executiva da News International, Rebekah Brooks, também pediu demissão .

Reuters
Les Hinton durante palestra no Fórum Econômico Mundial em outubro de 2010

Funcionário da News Corp. havia mais de 50 anos, Hinton começou ainda adolescente no jornal australiano "Adelaide News" e liderava a Dow Jones desde 2007. Em nota, ele afirmou que "ignorava o que aparentemente aconteceu" no "News of the World" e pediu desculpas pelas ações dos jornalistas do tabloide, que deixou de circular no domingo .

Pouco depois do anúncio da saída de Hinton, Murdoch disse que os dois tiveram uma "incrível jornada" nos últimos 52 anos. "É motivo de grande tristeza que essa jornada tenha acabado - profissionalmente, não pessoalmente", afirmou, em nota.

"Recordo vivamente um entusiasmado jovem de 15 anos no escritório do meu primeiro jornal em Adelaide", comentou, acrescentando que Hinton tinha a tarefa de "comprar sanduíches para o meu almoço".

Desculpas

Também nesta sexta-feira, o advogado da família de Milly Dowler , Mark Lewis, disse que o magnata Rupert Murdoch fez para os parentes da estudante assassinada um pedido sincero e completo de desculpas pela conduta dos jornalistas do "News of the World".

Na semana passada, um jornal rival informou que em 2002 o tabloide grampeou o telefone da britânica, que mais tarde foi encontrada morta, possivelmente atrapalhando a investigação policial sobre o desaparecimento da adolescente de 13 anos.

Lewis disse que o magnata australiano pediu o encontro privado e se desculpou "diversas vezes", dizendo à família Dowler que os eventos que aconteceram no "News of the World" não correspondiam aos padrões estabelecidos por seu pai quando entrou na indústria da mídia. Segundo o advogado, Murdoch foi "humilde, muito sincero e estava muito comovido".

Ele também disse que a família falou a Murdoch que seus jornais deveriam abrir caminho para o estabelecimento de um padrão de honestidade e decência no jornalismo.

O pedido de desculpas à família foi feito depois de a News International anunciar que pedirá desculpas pelo escândalo das escutas ilegais do "News of the World" por meio de anúncios de página inteira que serão publicados nesse sábado nos jornais britânicos.

"Nós lamentamos", dirá o anúncio em letras negras em um fundo branco, enquanto um texto menor, sob o principal, acrescentará: "O trabalho do 'News of the World' era pedir prestação de contas dos outros. Mas fracassou quando chegou sua vez."

O anúncio, assinado por Murdoch, será publicado pelo "The Sun" e "Times", de sua propriedade. Também sairá nos rivais "Daily Mail", "Daily Telegraph", "Financial Times" e "Independent", assim como no "The Guardian", jornal que contribuiu para revelar o escândalo.

Com BBC e AP

    Leia tudo sobre: gramposmurdochnews of the worldgrã-bretanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG