Direita de Berlusconi perde eleições em Milão e Nápoles, indica boca de urna

Derrota em Milão ameaça coalizão de premiê com partido de extrema direita Liga do Norte, que cogitou deixar governo se perdesse

iG São Paulo |

A direita que apoia o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, sofreu um revés neste domingo e perdeu as eleições municipais em Milão e Nápoles, segundo dados de boca de urna.

Para a prefeitura de Milão, o candidato de centro-esquerda Giuliano Pisapia desponta como o vencedor do segundo turno da eleição, segundo pesquisa de boca de urna realizada pela empresa Intention Pool Digis para a rede de televisão Sky TG24.

AFP
Partidários de Giuliano Pisapia celebra resultado das eleições no centro de Milão
Os primeiros dados divulgados nesta segunda-feira indicam que Pisapia contaria com 53,5% dos votos contra 46,5% da atual prefeita, Letizia Moratti, candidata do Povo da Liberdade (PDL), partido de Berlusconi.

Segundo analistas, a perda de Milão representa uma ameaça à coalizão do partido de Berlusconi com a Liga do Norte (LN). Antes das eleições, o premiê italiano havia dito que perder a prefeitura da capital econômica da Itália era “impensável”.

A vitória de Pisapia representaria o fim de 18 anos de um governo municipal conservador em Milão, além de um duro revés para Berlusconi, que havia definido as eleições municipais como um "plebiscito" para seu governo.

Ministérios

Após a derrota no primeiro turno, Berlusconi chegou inclusive a cogitar a mudança de dois ministérios para a capitla econômica do país, em uma tentativa também de apaziguar os ânimos de seus parceiros da Liga Norte (LN), que ameaçavam desertar do governo em caso de derrota no pleito.

Pisapia venceu a primeira fase do pleito, realizada há duas semanas, quando obteve 48,04% do total de votos, contra 41,58% de Moratti, embora naquela ocasião não tenha conseguido obter o mínimo necessário de votos para garantir a vitória de forma direta.

Já em Nápoles, reduto eleitoral da centro-esquerda que precisou de segundo turno para escolher seu prefeito, o candidato de centro-esquerda Luigi De Magistris, da Itália dos Valores (IDV), teria se imposto ao candidato de centro-direita Gianni Lettieri com 54,5% dos votos contra 45,5%, segundo pesquisa da mesma empresa.

O primeiro turno na cidade já tinha deixado fora da disputa o candidato do Partido Democrata (PD), Mario Morcone, representante de centro-esquerda que governou a cidade os últimos 15 anos e cuja administração se viu envolta em escândalos de corrupção internos.

Assim, no segundo turno concorriam Lettieri, do PDL, e De Magistris, do progressista IDV, a quem Berlusconi qualificou como "agitador político e demagogo" no mesmo dia em que afirmou que os que votavam em candidatos de esquerda "não tinham cérebro".

Além de Nápoles e Milão, outra importante prefeitura em disputa é a de Cagliari, na ilha de Sardenha, onde o candidato de centro-direita Massimo Fantola venceria por 53,05% o jovem Massimo Zeda, candidato da centro-esquerda, que ficaria com 46,95% dos votos.

Com essas eleições municipais parciais, a Itália renova 1.315 prefeituras e 11 cargos de deputado provincial. A maior parte dos vencedores foi decidida no primeiro turno, realizado nos dias 15 e 16 de maio.

*Com EFE e BBC

    Leia tudo sobre: itáliasilvio berlusconimilãonápoleseleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG