Diplomata dos EUA diz que país deseja cooperar com o Irã no Afeganistão

Moscou, 27 mar (EFE).- Um diplomata dos Estados Unidos declarou hoje que seu país deseja cooperar com o Irã no Afeganistão, apesar de as duas nações asiáticas terem negado que planejem realizar negociações diretas durante uma conferência em Moscou sobre a situação afegã.

EFE |

Segundo um integrante da delegação dos EUA no evento em Moscou, liderada pelo subsecretário de Estado americano, Patrick Moon, "o Irã é um ator importante para a solução do problema afegão e o Afeganistão é um bom campo para cooperar com os iranianos no futuro".

O mesmo diplomata acrescentou que "Washington não vê nada de extraordinário" no fato de representantes de EUA e Irã estarem presentes no mesmo fórum, mas ressaltou que ambos não planejam manter encontros bilaterais.

O vice-ministro de Assuntos Exteriores iraniano, Mehdi Akhundzade, que representa o Governo de Teerã na conferência de Moscou, descartou a possibilidade de haver uma reunião particular com Moon.

A Chancelaria russa declarou ontem que o país estaria disposto a contribuir para a realização de um encontro de diplomatas de EUA e Irã caso estes decidissem celebrá-lo em Moscou.

A conferência foi convocada pela Rússia como evento da Organização de Cooperação de Xangai (SCO, em inglês), integrada também pela China e por vários países da Ásia Central, entre eles Uzbequistão e Tadjiquistão, que têm fronteiras com o Afeganistão.

A Rússia e outros membros da SCO consideram que o Afeganistão continua sendo um barril de pólvora e que a guerra iniciada pelos EUA em 2001 só contribuiu para agravar a instabilidade na região.

Por outro lado, o citado diplomata americano considerou inoportuno que a Rússia e outros países que fazem fronteira com o Afeganistão enviem tropas ao território afegão.

Nesta semana, Moscou apoiou a ideia do presidente dos EUA, Barack Obama, de abrir uma via de diálogo entre o Governo legítimo afegão e as facções talibãs mais moderadas e também sua declaração de que a nova estratégia para o Afeganistão deve incluir um plano de saída das tropas.

A conferência de Moscou ocorre poucas semanas após o Quirguistão anunciar sua decisão de fechar ainda neste ano a base aérea de Manas, a última que os EUA dispõem na Ásia Central. EFE si/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG