Diferenças sobre ministérios empacam acordo no Zimbábue

Harare, 18 set (EFE).- O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, e o primeiro-ministro Morgan Tsvangirai não conseguiram chegar a um acordo hoje sobre a formação de um Governo de união nacional, devido a diferenças sobre a repartição dos ministérios-chave no país.

EFE |

Nelson Chamisa, porta-voz do Movimento para a Mudança Democrática (MDC) de Tsvangirai, até agora na oposição, disse à imprensa que Mugabe reivindica "os principais ministérios", incluindo alguns que não lhe correspondem segundo o acordo para um Governo de união nacional assinado na segunda-feira passada.

Segundo Chamisa, Mugabe exige para seu partido, a União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), os Ministérios de Economia, Exteriores e Interior, que segundo o acordo devem corresponder ao MDC.

Chamisa ressaltou que a negociação prossegue entre os grupos para chegar a um pacto "equilibrado", conforme o acordo entre a Zanu-PF de Mugabe, no poder desde 1980, e a oposição.

Segundo o acordo, a Zanu-PF teria 15 pastas no Governo, o MDC de Tsvangirai 13 e a facção do também opositor Arthur Mutambara, três.

Mugabe, segundo o acordo assinado na segunda-feira passada, no qual pela primeira vez em seus 28 anos a frente do país cedia parte de seu poder à oposição, deve permanecer como presidente e chefe das Forças Armadas, enquanto Tsvangirai será o primeiro-ministro e controlará a Polícia. EFE cho/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG