Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Diferença de renda atrapalha entrada de latinos em universidades dos EUA

Los Angeles (EUA.), 17 out (EFE) - A diferença de renda familiar entre anglo-saxões e latinos aumentou quatro vezes nos últimos 30 anos, o que afetou o rendimento dos estudantes latinos à educação superior, destaca um estudo da Universidade da Califórnia Los Angeles (UCLA).

EFE |

Embora a renda média de uma família latinha tenha aumentado de US$ 7.986 em 1975 para US$ 32.965 em 2006, equivale a 62% da média dos lares anglo-saxões, afirma a análise.

"Embora tenhamos encontrado uma ligeira diminuição no número de estudantes latinos que entram na universidade em comparação com os anglo-saxões, a diferença na renda é um obstáculo muito grande para seu acesso à educação superior", disse hoje à Efe Sylvia Hurtado.

A diretora do Higher Education Research Institute da UCLA foi a responsável pela pesquisa.

"Ao começar o ano acadêmico de 2006, um de cada cinco latinos recém-entrados na Universidade manifestou preocupação com o financiamento de sua educação superior, enquanto só pouco mais de 8% dos brancos mostravam este temor", disse José Luis Santos, outro dos pesquisadores.

Da mesma forma, o número de homens latinos que entram nas universidades e colégios de quatro anos diminuiu durante o período analisado pelo estudo.

Enquanto em 1975 mais de 57% dos estudantes universitários latinos de primeiro ano eram homens, em 2006 o percentual caiu para somente 39%, sendo os alunos hispano-americanos os mais afetados por esta diminuição.

Pelo menos 79,9% dos estudantes hispano-americanos mostram preocupação com o financiamento de sua carreira, o que representa o grupo mais alto entre os latinos, ressaltou a investigação.

O estudo destaca que os estudantes latinos que iniciam sua carreira manifestam uma forte decisão de terminá-la (maior que os anglo-saxões).

Além disso, afirma que, nos últimos anos, um grupo maior de alunos latinos de preparatório gastam seis ou mais horas por semana em suas tarefas escolares e seu estudo pessoal, em comparação com outros grupos étnicos.

O estudo analisou a pesquisa de estudantes de primeiro ano da UCLA-2006, baseada nas respostas de 261.737 participantes. EFE lu/db

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG