Moscou, 22 jul (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, declarou hoje a seu colega venezuelano, Hugo Chávez, que a ativa cooperação entre Moscou e Caracas se transformou em um dos fatores fundamentais da segurança regional na América Latina.

"Nos últimos tempos nossos contatos e relações adquiriram um caráter não apenas estável, mas muito dinâmico", declarou Medvedev ao receber Chávez - que realiza sua sexta visita à Rússia - na residência campestre de Meindorf, nos arredores de Moscou.

Ele acrescentou que prova disto é o rápido crescimento do comércio bilateral, cujo valor no ano passado foi duplicado em comparação a 2006, apesar de defender a otimização da cooperação, cuja maior parte corresponde às compras de armas russas por Caracas.

Já Chávez deu os parabéns a Medvedev pela sua posse, em maio passado, e se mostrou convencido de que a eleição do novo chefe do Kremlin será uma "garantia de segurança e estabilidade" dos dois países e "do mundo inteiro", informa a agência oficial russa "RIA Novosti".

Além disto, transmitiu a Medvedev uma saudação de parte do líder cubano Fidel Castro e afirmou que compartilha plenamente os princípios da política externa do Kremlin em defesa de um mundo "multipolar".

Já na chegada a Moscou esta manhã, Chávez expressou sua "grande esperança" de que esta visita permita continuar com a construção de uma "aliança estratégica" entre Rússia e Venezuela.

Segundo o dirigente venezuelano, os acordos assinados nos últimos anos com a Rússia, sobretudo para a compra de armas, "garantirão a soberania da Venezuela, que é ameaçada pelos Estados Unidos".

Após a reunião a sós entre Medvedev e Chávez, as negociações continuarão com a participação de executivos de grandes companhias dos setores de armas, energia e metalurgia, após a qual está prevista a ratificação de acordos.

Segundo fontes do complexo industrial militar russo, ambos os países poderiam assinar vários contratos de armamento pesado no valor de US$ 1 bilhão, informou a agência russa "Interfax".

Caracas está interessada na compra de cerca de dez a vinte sistemas antiaéreos Tor-M1, os mesmos que o Irã adquiriu no final de 2005.

Também poderia ser fechada a compra de três submarinos da classe Varshavianka, projeto 636.

A exportadora estatal russa de armamento Rosoboronexport anunciou nesta segunda-feira que durante a visita de Chávez é esperado o estabelecimento de um acordo para o fornecimento de material bélico.

"Este acordo permitirá garantir o fornecimento de armamento para as necessidades de defesa da Venezuela de forma operacional e conforme as obrigações internacionais e legislações de ambos os países", declarou o porta-voz da Rosoboronexport, Viacheslav Davidenko, citado pela "Interfax". EFE se/fh/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.