Diamantes diminutos provam queda de cometa sobre América do Norte

Washington, 2 jan (EFE).- A presença de pequenos diamantes no solo são uma prova firme da explosão de um cometa sobre a América do Norte há cerca de 13.

EFE |

000 anos, que causou a extinção de numerosas espécies animais, assinala um artigo publicado hoje pela revista "Nature".

O artigo indica também que o cataclismo reduziu a população humana dos primeiros habitantes da região e iniciou um período de frio que se estendeu durante cerca de 1.300 anos por todo o planeta.

O calor gerado pelo impacto do objeto provavelmente derreteu grande parte de uma geleira que cobria a região dos Grandes Lagos e causou uma enorme inundação ao longo do curso do Rio Mississipi, segundo esta teoria.

O geólogo James Kennett, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, que primeiro expôs esta teoria em 2005, sustenta que as provas do impacto se encontram em uma fina camada de sedimentos que se estende em toda a América do Norte.

"Há materiais com características químicas particulares nessa camada que proporcionam, em conjunto, provas muito firmes que a camada é resultado deste impacto extraterritorial", assegurou Kennett.

Os cientistas dizem que essa camada, que data de cerca de 12.900 anos, contém pequenas esferas de carbono e metais, pedaços de diamantes e concentrações extraterrestres de hélio 3 e do elemento irídio.

Segundo o relatório, as ondas frias provenientes da geleira que chegaram ao Golfo do México mudaram as correntes do oceano Atlântico e modificaram as pautas do clima em todo o planeta.

O artigo acrescenta que "um raro enxame de cometas" caiu sobre a América do Norte há cerca de 12.900 anos, iniciando incêndios que causaram asfixia e levaram "à extinção de animais grandes, incluindo mamutes, em toda a América do Norte". EFE jab/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG