PEQUIM - Delegações da China, das duas Coreias, dos Estados Unidos, da Rússia e do Japão retomaram hoje, em Pequim, o diálogo para a desnuclearização norte-coreana, em um ambiente de pessimismo sobre a obtenção de resultados reais e no que pode ser o último esforço diplomático da Administração do presidente americano, George W. Bush, neste assunto.

Acordo Ortográfico

As negociações se concentram desta vez na busca de um mapa do caminho para verificar o programa nuclear da Coreia do Norte e a concretização de novas ajudas econômicas a esse país.

O chefe da delegação americana, Christopher Hill, reconheceu aos jornalistas chineses que não se esperam grandes passos adiante no diálogo de hoje, e destacou que o importante é "avançar em um protocolo de verificação" das instalações nucleares de Pyongyang.


Delegações se reúnem para descutir desnuclearização / AP

O diálogo, iniciado em 2003 e que produziu os maiores frutos em 2007, quando a Coreia do Norte se comprometeu a desmantelar suas instalações nucleares em troca de ajuda energética, fica novamente rarefeito devido às reservas de Pyongyang em se sentar na mesma mesa de negociação com o Japão.

Tóquio vê estas negociações como um veículo para tratar outros temas, principalmente o caso dos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte há décadas e cujo paradeiro é desconhecido, enquanto Pyongyang chegou inclusive a pedir a expulsão da delegação japonesa do diálogo.

Os negociadores também estão à espera da nova atitude do presidente eleito americano, Barack Obama, em relação à Coreia do Norte, cujo regime foi incluído por George W. Bush em seu famoso "eixo do mal" em 2003.

Leia mais sobre programa nuclear

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.