Devastação dos incêndios na Grécia deixa à mostra milhares de casas ilegais

Atenas, 27 ago (EFE).- Antes escondidos pelos bosques e florestas nos montes de Atenas, as inúmeras mansões construídas ilegalmente e amparadas pela impunidade agora se veem claramente, após a devastação da vegetação pelo fogo.

EFE |

Os montes Pendelis, Imitos e Parnisa rodeiam Atenas oferecendo grandes vistas, um entorno natural paradisíaco e muita tranquilidade a poucos minutos do centro da caótica capital grega.

Uma casa ali é uma tentação à qual muitos moradores ricos não puderam resistir mesmo indo de encontra as leis de urbanismo que impedem as construções nos locais.

"Nos últimos anos não houve praticamente nenhuma demolição de casas ilegais na Grécia e se se constrói em áreas de preservação ambiental já que as multas, além de baixas, não são cobradas por problemas legais", explicou a Efe Panagiotis Jasiatis, especialista legal do Fundo Mundial da Natureza (WWF).

O problema, além da corrupção e a impunidade, é a multiplicidade de instituições que se encarregam dos mesmos assuntos, o que no final supõe um emaranhado burocrático indecifrável.

"A leis gregas são tão complicadas que, na prática, o que ocorre é que resulta quase impossível demolir uma casa", explicou a Efe outro alto cargo de uma ONG internacional que luta contra a corrupção e que solicitou não ser identificado.

Perante a impunidade daqueles que fazem construções irregulares, muitos optaram por continuar construindo e depois esperar que o Estado aceite a situação, como vem fazendo até agora.

E as casas acabaram por prejudicar muito o trabalho dos bombeiros que frequentemente se viam em lugares que nos mapas eram florestas mas que, na realidade, estavam casas e condomínios.

Dados oficiais estimam a existência de cerca de 15 mil imóveis ilegais dentro das zonas arrasadas pelo fogo, cerca de 300 quilômetros quadrados, que não poderão solicitar às ajudas que oferece o Estado por descumprir a lei.

O próprio ministro do Meio Ambiente, Urbanismo e Obras Públicas, George Suflias, encarregado de anunciar as ajudas aos desabrigados, construiu parte da sua casa próxima de Atenas sem os requisitos legais necessários.

O fato foi criticado pela oposição de esquerda e pelos ecologistas que exigem a criação de um Ministério exclusivo para cuidar dos castigados espaços naturais gregos.

A pressão pública parece, no entanto, estar mudando as coisas, pelo menos nos casos das montanhas próximas a Atenas.

O deputado conservador Kiriakos Mitsotakis, responsável da comissão parlamentar sobre Meio Ambiente, propôs que Imitos e Pendelis sejam declarados parques nacionais, o que aumentaria a proteção legal. EFE Ll-Afb/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG