Suspeita de vazamento de informações sobre investigação levou investigador a ser preso; ex-repórter do News of the World foi solto sob fiança

Um dos detetives que investigavam o escândalo de grampos ilegais no extinto tabloide britânico News of the World foi preso sob suspeita de vazar informações sobre a investigação.

Mulher fala ao telefone em frente ao prédio da News International em Londres, onde funcionava o News of the World (06/07)
Reuters
Mulher fala ao telefone em frente ao prédio da News International em Londres, onde funcionava o News of the World (06/07)
De acordo com a Scotland Yard, o detetive de 51 anos de idade é suspeito de “diulgação de informação não autorizada”. Além da detenção, o oficial também foi suspenso depois de ter sido solto sob fiança.

A polícia também anunciou ter detido horas antes um homem de 35 anos suspeito de interceptar mensagens de voz. O suspeito compareceu a uma delegacia de Londres e foi solo sob fiança. De acordo com a BBC, o homem seria Dan Ewans, ex-repórter do News of the World.

Com o detetive e o suspeito presos nesta sexta-feira em Londres chegam a 15 as pessoas detidas no caso de escândalo de grampos ilegais envolvendo o extinto tabloide britânico News of the World, que era parte do conglomerado News Corp. , do magnata Rupert Murdoch.

Cerca de 45 policiais estão investigando suspeitas de escutas ilegais e interceptação de mensagens de voz de celulares de celebridades, membros da Família Real britânica, políticos e vítimas de crimes.

O vice-comissário da polícia responsável pela investigação, Sue Akers, disse ter deixado “bem claro” a necessidade de segurança operacional e de informação quando as investigações começaram e lamentou a postura do oficial detido.

Hollywood

Na quinta-feira, a polícia britânica prendeu outro jornalista do News of the World pelo escândalo de escutas ilegais. James Desborough, 38 anos, era correspondente do jornal em Hollywood , Los Angeles, e um dos maiores especialistas em celebridades, setor no qual se destacou por conseguir informações exclusivas e rendeu prêmios ao jornalista.

Além dele, outras figuras importantes foram presas, como Andy Coulson , ex-diretor do tabloide e ex-porta-voz do primeiro-ministro David Cameron, e Rebekah Brooks , ex-diretora do jornal e ex-chefe-executiva da News International, braço britânico da News Corp. Todos os detidos anteriormente foram soltos sob pagamento de fiança.

Nesta semana, uma carta escrita em 2007 pelo ex-repórter do tabloide Clive Goodman acusou a direção do jornal de saber e apoiar o uso de escutas ilegais para obter informações confidenciais.

Na carta endereçada ao diretor de Recursos Humanos da News International, Daniel Clocke, o ex-repórter afirmou que os grampos eram “amplamente discutidos” em reuniões editoriais e que ele não poderia ser demitido porque atuava com o consentimento de seus superiores. “A decisão é perversa porque as ações que levaram a essa ação criminal foram feitas com conhecimento e apoio total (da direção). E é inconsistente porque outros membros da equipe estavam fazendo o mesmo”, escreveu no documento divulgado na terça-feira pelo Parlamento britânico.

*Com AP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.