Detectado vazamento de água radioativa na usina de Fukushima

Parte do líquido contaminado poderia ter chegado até uma fundação que se conecta com o mar

iG São Paulo |

A Tokyo Electric Power (Tepco), a operadora da usina nuclear de Fukushima , detectou um vazamento de cerca de 45 toneladas de água contaminada com estrôncio radioativo, parte das quais poderiam ter saído da unidade, informou nesta segunda-feira a rede NHK.

Segundo a Tepco, o vazamento foi detectado no domingo em um dispositivo de reciclagem para eliminar o sal de água radioativa que se acumula na usina. Após a constatação, a empresa atuou para deter o sistema e conter o escape.

No entanto, antes que se detivesse o dispositivo, vazaram 45 toneladas de água que, acredita-se, podem conter cerca de 130 mil becquerels de estrôncio radioativo por centímetro cúbico.

Parte do líquido contaminado poderia ter chegado até uma fundação que se conecta com o mar e na qual a Tepco colocou sacos de areia para tentar conter o vazamento, afirmou a NHK.

Desde o início da crise nuclear, após o terremoto seguido de tsunami de 11 de março , as autoridades japonesas realizam análise para investigar o impacto do acidente na vida marinha perto da central, já que se estima que entre 21 de março e 30 de abril a unidade pode ter vertido ao mar cerca de 15 mil terabecquerels de césio e iodo radioativo.

A Tepco mantém na central um duplo sistema de descontaminação de água radioativa que se acumula nos seus porões. Posteriormente ela é utilizada para esfriar os reatores. Segundo a operadora, o vazamento detectado não representará nenhum problema adicional aos trabalhos de reciclagem nem ao processo de esfriamento dos reatores.

Resgate de animais

O Ministério de Meio Ambiente japonês confirmou nesta segunda-feira que permitirá a entrada de grupos de proteção aos animais na zona de exclusão por alta radiação no entorno de Fukushima. O objetivo é que as organizações protetoras possam resgatar os animais de estimação que ficaram no raio de exclusão de 20 km decretado pelo governo após o início da crise na usina.

Espera-se que a partir de terça-feira o Executivo comece a tramitar as solicitações das associações interessadas e permita o acesso em 27 de dezembro. Segundo o ministério, até o dia 13 de novembro foram resgatados 658 gatos e cachorros da zona de exclusão, mas estima-se que ainda haja uma centena de animais na área.

Diversas organizações solicitaram às administrações locais em reiteradas ocasiões a permissão para entrar na região, onde muito animais morreram de fome ou vivem em estado selvagem. Com a autorização do governo, as associações poderão resgatar os animais se houver um pedido expresso de seus donos, um plano de proteção e um abrigo para acolhê-los.

Veja fotos de visitas de jornalistas a Fukushima em 12/11 :

A alta radioatividade em Fukushima obrigou 80 mil pessoas a abandonar a província e causou prejuízos milionários na indústria agrícola, de gado e pesqueira. Nas últimas semanas, as análises em vários centros agrícolas de Fukushima revelaram níveis excessivos de césio em cultivos de arroz , o que levou o governo a proibir a distribuição da carga desse cereal procedente de 4,5 mil fazendas da província.

Neste mês, 300 soldados das Forças de Autodefesa (Exército) do Japão entrarão na zona de exclusão para começar uma operação de limpeza dos prédios municipais.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: japãoterremototsunamitremorfukushimausina nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG