Detectada metade da matéria intergaláctica do universo

Após anos de pesquisa, uma equipe de astrônomos finalmente detectou cerca de 50% da matéria dita normal ou bariônica que se encontra entre as milhares de galáxias do universo, segundo trabalhos publicados nesta terça-feira.

AFP |

"Acreditamos estar vendo os fios de uma estrutura que forma a coluna vertebral do universo", declarou Mike Shull, astrônomo da Universidade do Colorado em Boulder (oeste dos EUA) e um dos autores do estudo, publicado na edição desta terça-feira do Astrophysical Journal.

"Com esta descoberta, confirmamos com detalhes que o espaço intergaláctico que parece estar vazio é na verdade o reservatório da maior parte da matéria normal no universo", acrescentou.

Esta matéria normal, que não pode ser confundida com a matéria dita "escura", representaria cerca de 5% do universo, ou seja, cinco vezes menos que a matéria escura (cerca de 25%). Os 70% restantes seriam formados pela energia do vazio.

Esta equipe de astrônomos utilizou a luz emitida por 28 quasars, corações brilhantes de galáxias muito longínquas que ainda têm um buraco negro em seu centro.

Como tochas na neblina, estes quasars permitiram observar esta estrutura, chamada formação intergaláctica, que parece uma teia de aranha praticamente invisível.

A equipe de astrônomos utilizou o espectrógrafo de imagens do telescópio espacial Hubble e FUSE, um satélite de observação da Nasa dedicado à espectroscopia em alta resolução com raios ultravioleta.

Os astrônomos conseguiram assim encontrar a impressão espectral de hidrogênio e de oxigênio com alto teor iônico que forma a matéria desta teia intergaláctica.

Seus trabalhos constituem a observação mais detalhada até hoje do aspecto físico da formação intergaláctica a cerca de quatro bilhões de anos-luz da Terra. Um ano-luz corresponde à distância percorrida pela luz em um ano, ou seja, 9.460 bilhões de km.

js/yw/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG