Destroços do voo AF 447 chegam à França

Os 640 destroços recolhidos do voo Air France 447, que caiu no Oceano Atlântico na noite de 31 de maio após decolar do Rio de Janeiro com destino a Paris, chegaram, na noite de terça-feira, à França. Eles serão examinados pelo BEA, órgão francês que investiga as causas do acidente.

BBC Brasil |

Os destroços do Airbus A330 chegaram a bordo de um cargueiro ao porto de Pauillac, nos arredores de Bordeaux, sudoeste da França.

Eles já estão a caminho do Centro de Testes da Aeronáutica (CEAT), em Toulouse, onde também se situa a sede da Air Bus.

Os destroços devem chegar ao centro até o final desta semana. O CEAT, ligado ao Ministério da Defesa francês, é considerado o maior instituto europeu de testes no solo de aviões civis e militares e atua regularmente em investigações realizadas pelo BEA.

De acordo com os investigadores, os destroços serão analisados "sob controle da polícia de transporte aéreo e do BEA".

Além do leme, encontrado praticamente intacto, que representa uma peça importante das investigações, foram resgatados do mar pedaços do piso do avião, coletes salva-vidas não inflados, assentos e armários onde são guardadas as bandejas de refeições, entre inúmeros outros destroços.

De acordo com o BEA, os elementos identificados provêm do conjunto das diferentes partes do avião.

Investigações
A análise mais detalhada dos destroços pode permitir o avanço das investigações. As duas caixas-pretas do avião, consideradas essenciais para identificar as causas do acidente que matou 228 pessoas, ainda não foram encontradas.

Segundo o BEA, na próxima semana tem início a segunda fase das operações de busca pelas caixas-pretas, com a utilização de robôs submarinos para tentar localizar a fuselagem do avião em águas profundas.

O investigador-chefe do acidente, Alain Bouillard, do BEA, declarou, no início de julho, que ainda há poucos elementos para determinar as causas do acidente.

Até o momento, as investigações puderam determinar que o avião da Air France não se partiu durante o voo.

Segundo os investigadores, o avião caiu no mar em alta velocidade, em linha de voo, ou seja, praticamente na horizontal, e se destruiu com o impacto na água.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG