Deslizamento na China mata 56 pessoas

Mais de 50 pessoas foram mortas e centenas podem estar desaparecidas no norte da China depois de o reservatório de dejetos de uma mina ter ruído, soterrando carros e casas sob uma imensa massa de sedimentos.

Reuters |

Chuvas torrenciais provocaram uma avalanche de lama e rochas após o depósito da mina de Tashan (Província de Shanxi) ter aparentemente recebido material para além de sua capacidade, afirmaram meios de comunicação oficiais.

A onda de destroços atingiu vários metros de altura, destruindo, em poucos minutos, casas e um prédio de escritórios com três andares, contaram testemunhas à agência oficial de notícias Xinhua. Segundo a agência, o número de mortos havia subido para 56 e outras 35 pessoas tinham ficado feridas.

Uma rádio pública disse em uma reportagem publicada em seu site que "várias centenas" de pessoas estão desaparecidas. Não foram fornecidos detalhes. A Xinhua afirmou que o número de desaparecidos ainda precisa ser determinado.

Chuvas fortes que caíam sobre o condado de Xiangfen na terça-feira prejudicavam os esforços de resgate dos quais participam mais de 1.100 policiais, bombeiros e moradores de vilarejos. As equipes de emergência procuram por sobreviventes.

"Estamos ocupados tentando resgatar as pessoas, mas as condições estão muito difíceis porque há muita lama e pedras", disse Hu Yanzai, secretário do Partido Comunista da China em Chongshi, que fica perto dos vilarejos atingidos.

"É difícil calcular quantos morreram. O lugar está coberto pela lama e não sabemos quantos escaparam", Hu afirmou à Reuters, por telefone. "Eu diria que pelo menos cem morreram. Trata-se de uma área grande. Eu não sei como me sinto. Estou me sentindo meio anestesiado."

Muitas vítimas seriam mineiros migrantes. Sem as famílias deles por perto, ficaria mais difícil identificar os mortos e determinar com exatidão quantos estão desaparecidos.

Autoridades mobilizaram-se para iniciar as operações de busca e para descobrir as causas do desastre. A área conta com várias minas.

"Segundo nossas investigações preliminares, esse acidente foi provocado por atividades ilegais consistindo na colocação de areia descartada na barragem de rejeito", afirmou Wang Dexue, vice-chefe do órgão de segurança no trabalho.

"Quando a barragem atingiu sua capacidade máxima, acabou por romper-se. As chuvas fortes aceleraram o processo", disse ele a um canal de TV oficial.

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG