Pelo menos 51 pessoas morreram no deslizamento de terra de sábado num morro do Cairo, segundo o novo balanço divulgado pelo serviço de segurança.

A dois dias da catástrofe, foram retirados quatro corpos sem vida dos escombros de uns 15 metros de altura, declarou à AFP um responsável do organismo.

"O número de vítimas está em 51 mortos e 57 feridos", afirmou a mesma fonte à AFP.

"Dezenas de pessoas podem estar soterradas nos escombros, mas ainda não há nenhuma informação precisa devido ao grande número de casas destruídas", destacou o responsável.

As pedras gigantes que rolaram do morro de Moqatam destruíram pelo menos 35 casas de Manchiyet Nasser, bairro pobre densamente povoado no nordeste do Cairo.

Algumas redes de televisão falam em 500 pessoas presas nos escombros.

O exército e os serviços de resgate abriram caminho entre as pedras, que tiveram de ser contidas para evitar novo deslizamento, explicou o responsável, acrescentando que as operações de resgate continuarão provavelmente por vários dias.

O acidente aconteceu na manhã de sábado quando muitos moradores ainda dormiam. As unidades do Exército começaram a enviar os sobreviventes para um alojamento próximo com 60 tendas que foram levantadas num jardim público do bairro de Fostat, perto de Manchiyet Naser.

Mas algumas pessoas se negam a ficar no abrigo e pedem uma casa nova, segundo o jornal independente Al Masri Al Yom.

Outros dizem que as autoridades são responsáveis pela catástrofe porque o deslizamento começou há uma semana no alto do morro, mas elas nada fizeram ao serem avisadas.

Domingo, os habitantes lançaram pedras contra a polícia e criticaram a ineficácia dos poderes públicos.

str-iba/lm/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.