Descobertos laços genéticos entre antigos peruanos e aborígnes japoneses

A descoberta de vínculos genéticos entre antigos peruanos da cultura pré-inca Mochica com um milenar povo japonês chamado Aíno corroboraria com a teoria de que os povos da Ásia contribuíram com a criação da civilização do Novo Mundo.

AFP |

Esses vínculos genéticos entre peruanos e japoneses da antiguidade foram descobertos nas pesquisas do antropólogo físico e especialista em DNA antigo, o japonês Ken-Ichi Shinoda, e o arqueólogo peruano Carlos Elera, diretor do Museu Nacional de Sicán (norte).

"Esse trabalho é absolutamente válido; desta forma se está completando a informação através da pesquisa genética, o que confirma uma série de hipóteses científicas que se encontravam num nível especulativo", afirmou o arqueólogo Luis Guillermo Lumbreras, consultado pela AFP acerca da validade dessa pesquisa.

Shinoda e Elera fizeram durante três anos análises de DNA nos Estados Unidos com amostras obtidas de tecidos de humanos que habitaram há 1.100 anos na costa norte do Peru, pertencente à cultura Sicán, com influência, mochica, no departamento de Lambayeque, 750 km ao norte de Lima.

Os resultados das análises foram comparados com amostras tiradas de pessoas de países asiáticos, o que levou a uma comprovação surpreendente dos vínculos genéticos entre os antigos moradores de Sicán com o povo japonês Aíno, que forma parte da cultura japonesa.

Lumbreras assinalou que os questionamentos em torno do DNA dão apoio à teoria de imigração há 12.000 anos de populações asiáticas para o continente americano.

O povo Aíno - segundo explicou - se encontra desde tempos imemoriais no norte do Japão, na ilha setentrional de Hokkaido, a partir de onde puderam chegar às ilhas Aleutianas e à península russa de Kamchatka, para depois passar para a América do Norte pelo Estreito de Behring.

A arqueóloga Ruth Shady, descobridora de Caral (100 km ao norte de Lima), considerada a cidade ais antiga da América, afirma muitas das coisas compartilhadas entre as populações americanas e asiáticas são efeito das imigrações da Ásia para o continente americano.

Shinoda e Elera anunciaram que suas pesquisas continuarão com novos testes que serão feitos com descendentes de mochicas que trabalham no projeto arqueológico de Sicán e com descendentes vivos de antigas culturas da Ásia, em especial a aína.

"Isso revelará o vínculo genético entre estes povos muito distantes geograficamente e que, na antiguidade, estabeleceram relações comerciais através do mar", afirmou Elera.

O objetivo é demonstrar como as populações da Ásia chegaram à América e que tiveram contato com a coletividade Sicán há 1.100 anos.

Os aínos são um povo aborígene do arquipélago japonês quase totalmente exterminado.

rm/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG