Descobertas variações genéticas que aumentam risco de obesidade

(embargada até as 14h de Brasília) Londres, 4 mai (EFE).- Um consórcio internacional de cientistas descobriu variações genéticas que aumentam o risco da obesidade e a resistência à insulina na população, tal como explicam em dois estudos publicados esta semana pela edição digital da Nature Genetics.

EFE |

Até agora apenas um gene, o FTO, tinha sido associado de forma convincente ao aumento do risco de sofrer de obesidade.

Um consórcio internacional de pesquisadores dirigidos por Mark McCarthy, Inés Barroso e Nicholas Wareham analisaram os genomas de mais de 90.000 pessoas e descobriram uma variante próxima ao gene MC4R que aumenta a suscetibilidade a sofrer de obesidade.

Estudos anteriores tinham demonstrado que o gene receptor de melanocortina-4 está presente em neurônios no hipotálamo e é um regulador chave da ingestão de comida e do gasto energético.

Embora ainda não esteja claro como este variante afeta a expressão ou função do MC4R, o fato de que se saiba que mutações nesse gene estão na origem de casos raros de obesidade infantil grave dá confiança a esta associação.

Em outro estudo, cientistas dirigidos por Jaspal Kooner, da Universidade Imperial College de Londres, averiguaram a milhares de pessoas de ascendência indo-asiática ou européia e identificaram que uma variante próxima ao mesmo gene aumenta o risco de obesidade e de resistência à insulina.

Essa variante de risco é mais freqüente em indivíduos com ascendência indo-asiática, o que, de acordo com o pesquisadores, deve ter-se em conta para abordar o aumento de obesidade na população dessa região. EFE ep/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG