Derrota no futebol feminino marca dia do Brasil nos Jogos Olímpicos

Redação central, 21 ago (EFE).- Em um dia no qual conseguiu melhorar sua classificação no quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, com a conquista de duas pratas, o Brasil viu fugir um dos ouros mais aguardados pela torcida, o do futebol feminino.

EFE |

Mesmo contando com uma geração muito talentosa, na qual se destacam jogadoras como Marta, Cristiane e Daniela Alves, o Brasil não teve força suficiente para derrotar os Estados Unidos na decisão da modalidade e acabou perdendo por 1 a 0 na reedição do confronto que decidiu os Jogos Olímpicos de Atenas.

Assim como na Grécia, o gol da vitória das americanas foi marcado na prorrogação. Desta forma, as brasileiras conquistam sua segunda medalha de prata consecutiva. O pódio de Atenas se repetiu por inteiro, já que a Alemanha também ficou com o bronze.

Na partida de hoje, o Brasil foi superior durante toda a partida - como em 2004. A atacante Marta era a jogadora com postura mais insinuante e travou um duelo intenso com a americana Christie Rampone.

A equipe brasileira jogou melhor no tempo regulamentar, mas perdeu o fôlego nos últimos minutos do segundo tempo.

Superiores no aspecto físico, as americanas imprimiram um jogo muito veloz no início da prorrogação e chegaram ao gol aos três minutos, com um chute de fora da área de Carli Lloyd. A goleira brasileira Bárbara falhou e pulou atrasada.

A outra prata do dia veio da vela, com Robert Scheidt e Bruno Prada na classe star, cujas disputas ocorrem na cidade de Qingdao.

Para alcançarem a conquista os brasileiros terminaram em terceiro na medal race, que tem valor dobrado. Scheidt e Prada chegaram à disputa em terceiro lugar no geral, com 47 pontos perdidos.

A conquista coloca a vela como a modalidade que mais deu medalhas ao Brasil na história dos Jogos Olímpicos, com 16 - desempatando com o judô, que tinha chegado aos 15 com os três bronzes na capital chinesa.

Esta é a quarta medalha olímpica na carreira de Robert Scheidt: ele foi duas vezes ouro na classe laser, nos Jogos de 1996 e 2004, e ficou com a prata nos de 2000. Já Bruno Prada disputava sua primeira edição da competição.

Scheidt também se torna o primeiro brasileiro a conquistar medalhas em quatro edições consecutivas dos Jogos Olímpicos.

Quem também brilhou hoje foi a equipe feminina de vôlei, que bateu a China por 3 sets a 0, com parciais de 27-25, 25-22 e 25-14, para garantir a primeira final olímpica de sua história.

Além disso, o time segue sem perder nenhum set na competição disputada na capital chinesa.

A luta pelo ouro está marcada para sábado, às 9h de Brasília. O Brasil vai enfrentar os Estados Unidos, que derrotaram Cuba na outra semifinal por 25-20, 25-16 e 25-17.

No atletismo, a equipe brasileira feminina do revezamento 4x100m terminou em terceiro na primeira bateria da semifinal com o tempo de 43s38.

O resultado garantiu uma vaga na final de amanhã para as brasileiras.

Já entre os homens, o Brasil ficou em quarto lugar na semifinal do revezamento 4x100m com o tempo de 39s01, o que lhe garantiu vaga na final.

Quem frustrou a torcida doi Jadel Gregório, que ficou apenas em sexto na final do salto triplo ao alcançar a marca de 17m20.

Outro brasileiro a se despedir de Pequim hoje sem medalhas foi Fabiano Peçanha, que acabou eliminado dos 800m rasos ao chegar em oitavo entre oito competidores na segunda semifinal.

Fabiano esteve perto da final ao liderar boa parte da prova, mas perdeu o fôlego na última volta e não conseguiu ficar entre os dois primeiros - o que garantiria a classificação direta.

No vôlei de praia, Renata e Talita perderam para as chinesas Xue e Zhang Xi por 2 sets a 0 (21-19 e 21-17) e quebraram a tradição de presença brasileira nos pódios dos Jogos Olímpicos na modalidade.

Já na canoagem, Niválter Santos chegou em sétimo lugar na semifinal da C-1 500m com o tempo de 1min55s610, ficando de fora da final da modalidade, já que apenas os três primeiros colocados avançam.

Por outro lado, Rodrigo Pessoa terminou em quinto lugar na final do salto individual.

No desempate pelo bronze, o atual campeão olímpico zerou o percurso e fez o tempo de 37s04. No entanto, a alemã Meredith Michaels-Beerbaum, que também não cometeu falhas, fez em 37s08 e ficou com o bronze.

Já Camila Mazza, que ficou fora da disputa por medalhas após a primeira passagem, terminou em décimo lugar. Mesmo chamada às pressas após a confirmação do doping do cavalo Chupa Chups, de Bernardo Alves, a amazona foi bem e terminou a eliminatória na liderança Na marcha atlética de 20 quilômetros, Tânia Regina Spindler terminou na 37ª posição na prova.

Tânia acabou com um tempo de 1h36min46s. A primeira colocada foi a russa Olga Kaniskina, que fez 1h26min31 e obteve o novo recorde olímpico.

A prata foi para a norueguesa Kjersti Platzer (1h27min07), e o bronze foi para a italiana Elisa Rigaudo (1h27min12).

Para encerrar, na categoria até 57 kg do taekwondo Débora Nunes perdeu para a croata Martina Zubcic por 3 a 0 nas quartas-de-final.

EFE plc/dp/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG