Projeto agora precisa ser aprovado pelo Senado para virar lei no país

A Câmara dos Deputados da Argentina sancionou na madrugada desta quarta-feira um projeto de lei que autoriza o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O projeto agora terá que passar pelo Senado para converter-se em lei.

Se o Senado aprovar o projeto, o que pode acontecer nos próximos dias, a Argentina se tornará o primeiro país da América Latina, região onde predomina a religião católica, a estender o direito de casamento aos homossexuais, apesar da oposição da Igreja Católica.

"Estamos igualando direitos de maneira mais genuína", disse o deputado Agustín Rossi, líder do bloco governista na Câmara. "A união civil não é a mesma coisa que o casamento. Ela representa continuar estigmatizando, continuar dizendo (aos homossexuais) que eles são diferentes -- que podem fazer até aqui, enquanto o resto, as outras coisas, são reservadas a nós", acrescentou.

A Cidade do México é o único outro lugar na América Latina onde os homossexuais têm os mesmos direitos que os casais heterossexuais de se casar e adotar filhos. O Uruguai permite que homossexuais adotem filhos, mas não que se casem.

Os líderes católicos na região descreveram o casamento homossexual como "perverso" e imoral.

Apenas um punhado de países no mundo autoriza o casamento de homossexuais, entre eles Holanda, Suécia, Portugal e Canadá. Nos Estados Unidos, os homossexuais podem se casar em cinco Estados e em Washington, mas a maioria dos Estados proíbe o casamento gay.

A capital argentina é conhecida entre turistas por ser um destino "gay friendly", com bares, hotéis e pontos comerciais destinados especialmente a clientes homossexuais.

Nos últimos meses, cinco casais homossexuais se casaram na Argentina. Em cada um dos casos, os casamentos foram autorizados por juízes locais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.