Denúncia de golpe no Peru obriga Marinha a reiterar respeito à democracia

Lima, 31 jan (EFE).- A denúncia de que um setor da Marinha peruana estaria planejando um golpe de Estado gerou polêmica no país, o que obrigou o comando dessa força a ratificar hoje seu respeito à democracia.

EFE |

Em um ato público em Lima, o comandante-geral da Marinha de Guerra do Peru, Rolando Navarrete, se dirigiu ao presidente do país, Alan García, para reiterar-lhe "o irrestrito respeito" das forças navais "à ordem constitucional e aos grandes interesses do país".

O alto oficial também reafirmou o compromisso da Marinha de "contribuir para o desenvolvimento do país em um ambiente de paz e ordem social", segundo declarações citadas pela agência oficial "Andina".

Na última quarta-feira, o congressista Víctor García Belaúnde denunciou que um grupo da Marinha pretendia dar um golpe de Estado e colocar no poder o atual vice-presidente peruano, o ex-vice-almirante Luis Giampietri.

O legislador indicou que sua denúncia se baseava num suposto relatório da embaixada dos Estados Unidos no Peru, mas, horas depois, esta representação diplomática negou a existência do documento. EFE watt/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG