Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Democratas lutam para mudar mapa político dos EUA

César Muñoz Acebes. Washington, 2 nov (EFE).- Se as pesquisas estiverem corretas, o dia 4 de novembro será recordado não apenas como o dia no qual um negro chegou à Presidência dos Estados Unidos, mas como um ponto de inflexão no qual os democratas se transformaram no partido dominante do país.

EFE |

Além de escolher o novo presidente, os americanos renovarão nesse dia a Câmara de Representantes, um terço do Senado e 11 governos estaduais. E em todas essas frentes, os democratas despontam como os grandes favoritos.

A última vez em que o partido venceu as eleições presidenciais e conquistou uma maioria clara no Congresso aconteceu há 15 anos, com Bill Clinton, mas o momento atual é potencialmente mais significativo, segundo Steven Smith, professor de ciências sociais da Universidade de Washington em Saint Louis, no Missouri.

Smith compara o momento atual à vitória de Ronald Reagan em 1980, em meio a um clima de frustração pela "incompetência" em Washington e os problemas econômicos.

"Reagan estabeleceu novas prioridades e é isso que vemos agora com os democratas", disse Smith à Agência Efe.

Os democratas conseguiram estipular a saúde e o meio ambiente, por exemplo, entre os temas mais relevantes das eleições, o que obrigou os republicanos a definir planos sobre esses assuntos, explicou Smith.

O avanço democrata acontece enquanto nas fileiras republicanas reina o desconcerto. O próprio candidato do partido, John McCain, afirmou que seus correligionários se acomodaram no poder.

Durante toda a campanha, McCain se esforçou para afastar sua imagem da do partido. O principal motivo para isso pode ser constatado na opinião dos americanos sobre o Governo atual. Cerca de 72% deles estão insatisfeitos com o trabalho de George W. Bush, o presidente cujo assessor político, Karl Rove, um dia quis usar para criar uma "maioria permanente" a favor da legenda.

Se Obama quiser criar uma "revolução" similar à do Governo Reagan precisará de um Congresso que acompanhe suas idéias, e as pesquisas indicam que isso acontecerá.

O senador pelo estado de Illinois favorecerá muitos candidatos de seu partido que podem ser eleitos por estarem associados a sua imagem, afirmou Kareem Crayton, professor de ciências políticas da Universidade Estadual da Califórnia.

A emoção que Obama conseguiu gerar especialmente entre os negros e os jovens, dois grupos com níveis tradicionalmente baixos de participação nas eleições, conduzirá às urnas um novo fluxo de eleitores majoritariamente democratas, segundo o Centro Conjunto de Estudos Políticos e Econômicos, um instituto independente.

O otimismo é tanto que a campanha do senador democrata John Kerry afirmou em mensagem enviada a seus partidários que o "sonho" de conquistar uma maioria absoluta no Senado "agora é possível".

Se conseguirem conquistar 60 cadeiras, os democratas não encontrarão qualquer obstáculo no momento de aprovar projetos de lei.

Atualmente, democratas e republicanos têm 49 cadeiras no Senado, cada um, mas o partido de Obama possui uma leve maioria, porque dois independentes votam a seu favor.

Grande parte dos analistas vê a perspectiva das 60 cadeiras como um otimismo excessivo, e acredita mais em uma maioria democrata entre cinco e sete novas cadeiras.

Na Câmara de Representantes, os analistas acreditam que os democratas aumentarão sua representação em cerca de 20 a 30 cadeiras. Atualmente, o partido tem uma vantagem de 36 votos na Câmara Baixa, que possui 435 membros.

Por causa da probabilidade de uma vitória democrata acachapante nas urnas, o editorial do diário "The Wall Street Journal", uma das vozes conservadoras mais influentes nos EUA, alertou para os riscos de uma "supremacia incontrolável da esquerda".

No entanto, os novos legisladores democratas serão em geral moderados, pois devem conquistar as cadeiras republicanas em regiões muito disputadas, onde vencerá "quem apelar para o centro", segundo Crayton.

Ao mesmo tempo, alguns congressistas atuais de distritos de esquerda verão a previsível vitória democrata como sua oportunidade para impulsionar os projetos pelos quais lutam há anos. EFE cma/mh

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG