Sarah Palin, uma conservadora de 44 anos, pode ser a primeira mulher a entrar na Casa Branca como vice-presidente dos EUA, se o republicano John McCain for eleito em novembro.

Ao apresentar nesta sexta-feira a governadora do Alasca como vice de sua chapa, McCain, que está comemorando hoje seus 72 anos, apostou na juventude e foi ousado, ao escolher uma mulher.

Com isso, os dois campos estão prontos para a batalha.

Depois do discurso arrebatador do candidato à Casa Branca Barack Obama, os democratas, finalmente unidos ao final de sua convenção, estão prontos para continuar a campanha.

Faltam aproximadamente 70 dias para a eleição presidencial americana.

Os democratas, que chegaram à convenção de Dencer (Colorado, oeste) ainda traumatizados pela longa e cruel batalha das primárias, saíram unidos. Hillary Clinton e seu marido e ex-presidente, Bill Clinton, colocaram o interesse do partido acima dos seus e apoiaram o senador de Illinois.

Com 47 anos de idade, Obama, senador há apenas três anos, é o primeiro negro com chances reais de ser eleito presidente dos EUA. Falando para cerca de 84.000 eleitores entusiasmados, e além deles, a todos os americanos, ele prometeu acabar com a "política ineficaz" que John McCain pretende continuar.

Fez um apelo aos compatriotas para restaurar o prestígio americano num discurso que fechou a convenção extraordinária dos democratas americanos.

O candidato democrata esteve nesta sexta-feira na Pensilvânia e Ohio, dois estados economicamente afetados e considerados cruciais na perspectiva da eleição de novembro.

O republicano John McCain que pode se tornar o mais velho presidente em seu primeiro mandato, se for eleito em novembro, fez o anúncio de sua candidata em Ohio.

A convenção republicana começa segunda-feira em St Paul (Minnesota). O presidente George W. Bush e o vice-presidente Dick Cheney devem participar desta reunião.

"O mesmo partido para o qual vocês deram dois mandatos de George Bush e Dick Cheney vai pedir a este país um terceiro mandato", afirmou Obama na quinta-feira à noite.

"E nós estamos aqui porque amamos muito este país para deixar os quatro próximos anos se pareceram com os oito últimos", disse.

McCain, um ex-prisioneiro de guerra do Vietnã, "vestiu o uniforme de nosso país com bravura, merece gratidão e respeito, mas", acrescentou Obama, "o balanço é claro: John McCain votou no Congresso com George Bush 90% do tempo".

"O senador McCain gosta de falar de julgamento, mas sinceramente, o que o julgamento dele quer dizer se ele acha que George Bush tinha razão em mais de 90% dos casos?", questionou.

"Não acho que o senador McCain desdenhe do que acontece com a vida dos americanos. Acho simplesmente que ele não sabe o que acontece", afirmou Obama.

As últimas pesquisas colocam os dois concorrentes lado a lado: Obama aparece com seis pontos de vantagem sobre McCain (48% contra 42%) na pesquisa Gallup publicada quinta-feira. Estes dados no entanto podem mudar depois das duas convenções.

Mas, segundo Julian Zelizer, professor de história em Princeton, nada está definido ainda: o discurso de Obama foi um bom começo para captar os 18 milhões de eleitores de Hillary Clinton durante as primárias, mas o candidato democrata deve ir muito além para bater McCain.

"Não acho que este discurso tenha ajudado em alguma coisa para convencer os indecisos", afirmou o professor.

aje/lm/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.