Delegações ocidentais boicotam Ahmadinejad na ONU

Diplomatas dos EUA, Grã-Bretanha e França deixam sala antes do início do discurso do líder iraniano

iG São Paulo |

Delegações de Estados Unidos, Grã-Bretanha e França presentes à conferência de revisão do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), em Nova York, abandonaram nesta segunda-feira o local onde o presidente iraniano fazia um discurso depois que ele acusou Estados nucleares de ameaçarem aqueles que não têm esse tipo de arsenal.

Mahmoud Ahmadinejad também pediu que "qualquer ameaça de uso de armas nucleares ou ataque contra instalações nucleares pacíficas seja considerada uma violação da paz e da segurança internacionais" e condenada pela ONU.

AP
Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, discursa na sede da ONU, em Nova York

As declarações do líder iraniano foram interpretadas como uma referência à nova estratégia de defesa anunciada no mês passado pelos Estados Unidos, que restringe o uso do arsenal nuclear americano, mas diz que as determinações não se aplicam a países que "violem as regras", como o Irã e a Coreia do Norte.

Ahmadinejad disse ainda que os Estados Unidos deveriam ser suspensos da diretoria da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU) por conta de suas ameaças de usar armas nucleares. "Como podem os Estados Unidos serem membros da diretoria quando usaram armas nucleares contra o Japão?", questionou.

Ahmadinejad é a autoridade mais graduada a discursar na abertura da conferência, que vai até dia 28. A delegação do Irã na ONU não deu detalhes sobre os planos dele, mas um diplomata do país afirmou que sua participação é "uma demonstração do firme compromisso do Irã com o TNP e com o sucesso da conferência de revisão".

Antes do discurso de Ahmadinejad, o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), Ban Ki-moon, havia pedido que o Irã "cumpra inteiramente" as resoluções do Conselho de Segurança a respeito de seu programa nuclear

O programa nuclear do Irã, que o Ocidente suspeita de acobertar o desenvolvimento de armas atômicas, será um dos assuntos mais debatidos nos corredores da conferência de revisão do TNP , que irá durar um mês. Realizado a cada cinco anos, esse evento avalia a adesão ao tratado e os problemas que ele sofre.

Discurso de Hillary

Hillary Clinton, secretária de Estado dos EUA, deve discursar horas depois de Ahmadinejad. Na semana passada, ela anteviu uma recepção fria ao iraniano em Nova York, e disse ser "incontestável" que o Irã está violando o TNP.

A secretária deve destacar a nova doutrina nuclear assumida pelo governo de Barack Obama, que fez do desarmamento e da não-proliferação nucleares prioridades em seu governo, ao contrário de seu antecessor, George W. Bush, que repudiava promessas de diminuição de arsenais feitas pelos EUA e por quatro outras potências nucleares declaradas em 2000.

De acordo com o TNP, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, França, Grã-Bretanha, Rússia e China - puderam manter seu arsenal nuclear, mas se comprometeram em negociar sua eliminação. Estados sem armas nucleares se queixam de que as cinco potências não teriam feito o suficiente para se desarmar.

    Leia tudo sobre: ONUIrãEstados UnidosAhmadinejadTNP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG