Delegação polonesa viaja hoje a Moscou para reunião sobre escudo antimísseis

Varsóvia, 7 abr (EFE).- O vice-ministro de Assuntos Exteriores polonês, Witold Waszczykowski, viaja hoje até Moscou para tentar convencer as autoridades russas de que o escudo antimísseis que os Estados Unidos querem construir na Polônia não representa um perigo para a Rússia, apesar de o Kremlin considerá-lo uma ameaça direta.

EFE |

Waszczykowski participará do encontro com a oferta de que Moscou possa supervisionar o processo de instalação do escudo antimísseis e comprovar "in situ" que não constitui um perigo para sua segurança, embora "em nenhum caso se permitirá a presença estável de militares russos em solo polonês, como aconteceu durante o comunismo".

"A Polônia está preparada para conversar com a Rússia e com os EUA sobre as várias formas de ter acesso às bases e componentes do escudo balístico se ele realmente for instalado em nosso país", declarou Waszczykowski.

A visita do vice-ministro de Assuntos Exteriores polonês acontece após o encontro do último fim de semana, na Rússia, entre o presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega americano, George W.

Bush, no qual os dois líderes tentaram chegar a um acordo sobre o projeto de bases de mísseis no Leste Europeu.

Os EUA pretendem instalar dez plataformas de lançamento de foguetes interceptores na Polônia e o sistema de radar de controle na República Tcheca com o objetivo de evitarem possíveis ataques que possam partir de algum dos países do chamado "eixo do mal", especialmente do Irã e da Coréia do Norte.

A República Tcheca já deu sinal verde na recente cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Bucareste, e Washington aguarda apenas uma aceitação da Polônia para começar a desdobrar seu sistema balístico defensivo no Leste Europeu, que conta com rejeição da Rússia, que chamou o projeto de retorno aos tempos da Guerra Fria. EFE nt/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG