Deficiência de vitamina D está ligada a vários tipos de mortes (estudo)

Um novo estudo relaciona a deficiência de vitamina D com um maior risco de morte, especialmente por doenças cardiovasculares, na mais recente evidência da importância dessa vitamina na saúde humana.

AFP |

Pesquisadores liderados por Harald Dobnig, da Medical University, de Graz, Áustria, mediram os níveis da vitamina D em 3.258 pacientes, com idade média de 62 anos, que visitaram o centro médico austríaco entre 1997 e 2000, e acompanharam seus casos por 7,7 anos.

Quase o dobro dos pacientes com deficiência de vitamina D morreu ao longo do estudo, de acordo com os resultados publicados no Archives of Internal Medicine, periódico da American Medical Association (Jama).

Dos 737 pacientes falecidos, 307 pertenciam ao grupo com menor nível de vitamina D, enquanto 102 eram do grupo com os maiores níveis. A relação entre a deficiência dessa vitamina e a mortalidade por causas cardiovasculares chamou, particularmente, atenção, já que mais da metade das mortes (463) foi atribuída a isso.

Os cientistas não sabem as razões pelas quais os baixos níveis de vitamina D contribuem para doenças cardiovasculares, ou outras causas de morte. Diversos estudos mostraram, contudo, que a vitamina D tem um papel-chave no sistema imunológico humano.

Um estudo da Universidade de Harvard, realizado em mais de 18.225 pacientes e publicado no início de junho no Archives of Internal Medicine, detectou uma relação entre a freqüência de ataques cardíacos e os baixos níveis de vitamina D.

Outras pesquisas demonstraram a relação entre a deficiência da vitamina D e o diabetes, a obesidade e a pressão alta. A falta de vitamina D também está associada a diversos tipos de câncer.

Pelo menos 50% dos idosos em todo o mundo registram índices insuficientes de vitamina D no sangue, e a situação é similar entre os mais jovens, segundo o mesmo periódico. As possíveis causas dessa deficiência são a diminuição da atividade ao ar livre, a velhice e a poluição atmosférica.

A principal fonte de vitamina D é a exposição solar, já que os raios ultravioletas do sol disparam a síntese da vitamina D no corpo humano. De 10 a 15 minutos de sol por dia são suficientes.

Em excesso, a vitamina D - encontrada naturalmente em poucos alimentos, como peixe, fígado de boi e gema de ovo - também pode ser prejudicial à saúde, alertam alguns especialistas.

js/tt/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG